.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

APOIO: "Emocionado, Jô Soares defende José de Abreu e Chico Buarque"

Em seu programa dessa quarta (27), Jô Soares se emocionou ao falar “do ambiente impaciente que o Brasil está vivendo” e defendeu José de Abreu, que na última semana cuspiu em um casal durante uma discussão num restaurante de São Paulo.
O apresentador classificou como “constrangedor” o episódio envolvendo Abreu. “Um cidadão não pode sair com sua mulher para jantar que é obrigado a ouvir insultos terríveis. A reação dele foi levantar e dar uma cusparada no casal, que também é uma reação movida por um ‘não aguentar mais’”, afirmou.
Na ocasião, segundo relato do ator, o casal da mesa ao lado o teria xingado de ladrão e dito que sua mulher, Priscila Petit, é “vagabunda”.
Para Jô, o comportamento das pessoas está ficando “igual ao de alguns deputados no Congresso, lamentável”. Ele disse que os indivíduos não podem mais assumir uma opinião ou tendência política sem serem condenados.
Durante o “desabafo”, Jô ainda falou que o cantor Chico Buarque tem sido agredido de “forma mesquinha” por ter declarado apoio à presidente Dilma Rousseff: “Chico não pode sair de casa sem ser agredido ou ofendido. O Chico é um patrimônio deste país. Fico comovido e com vergonha. Feliz o país que tem um Chico Buarque.”
Ao comentar o caso de José de Abreu, o apresentador afirmou ser “maldade e ignorância” acusar o ator de “viver às custas” da Lei Rouanet.
“É um total desconhecimento da lei. Quem tem a possibilidade de levantar verba por meio da lei é o produtor. E digo isso com total isenção porque não sou produtor de nada na área artística, sou diretor de espetáculos”, defendeu.
Folha de S.Paulo

GREVE: "Sindsaúde fará paralisação de 24h e ato na Governadoria"

Na próxima quarta-feira (04), o Sindsaúde fará uma paralisação de advertência, em todos os hospitais e unidades de saúde do estado e também de servidores cedidos aos municípios. Os servidores farão uma assembleia em frente à Casa Civil, às 09h, seguida de um ato público.
O ato irá exigir o pagamento do salário dentro do mês, o que não vem sendo feito neste ano – O salário de abril será pago em três datas (6, 9 e 10), sendo que os servidores da saúde receberão na primeira data, junto com educação e segurança.

CORRUPÇÃO: “Cunha recebeu propina para liberar FGTS”

Em um suposto acordo de delação premiada, o ex-vice presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto teria confirmado propina ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS.
Apadrinhado no cargo por Cunha, Cleto negocia acordo com a PGR (Procuradoria-Geral da República) depois de ter sido alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal, em dezembro.
Ele seria o sétimo investigado da Operação Lava Jato que acusa Cunha de envolvimento com corrupção.
Segundo reportagem de Aguirre Talento e Marcio Falcão, Cleto confirmou que houve os pagamentos de propina a Cunha relatados pelos delatores da Carioca Engenharia, Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco Júnior.

DOIS PESOS DUAS MEDIDAS: "Janaína Paschoal acusou Dilma e defendeu Temer"

Uma das autoras da denúncia contra a presidente Dilma Rousseff, a professora e advogada Janaína Paschoal defendeu na noite desta quinta-feira (28) que não há elementos para que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) também seja alvo de um processo de impeachment.
À comissão especial do impeachment no Senado, a advogada afirmou que, se tais elementos aparecerem, ela pedirá a saída do peemedebista também. A resposta foi dada ao senador Telmário Mota (PDT-RR) que a convidou para entrar, com ele, com um processo contra o peemedebista também.
“O novo governo que está se avizinhando aí é o seu Temer, o seu Cunha [Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara] e dos dez ministros, sete deles estão denunciados na corrupção. Eu queria convidar Vossa Excelência, que ama tanto esse país, para entrar comigo com um impeachment contra essa quadrilha que quer tomar conta do país”, disse Mota.
Janaína argumentou que o vice, que também assinou decretos suplementares de crédito, assim como a presidente Dilma, os assinou por “delegação da presidente da República”. “Nas pedaladas, não há nenhuma referência ao vice. Não há o tripé de crimes continuados intercalados entre si”, disse.
Em uma sessão tumultuada, que durou nove horas, Janaína defendeu que os senadores levassem em conta na análise do processo de impeachment informações relacionadas à operação Lava Jato, como previa o texto original da denúncia. O processo em análise pelos senadores trata apenas das pedaladas fiscais de 2015 e a edição de decretos suplementares editados no mesmo ano.
Criticada por governistas, a advogada rebateu. “O senhor diz que eu estou tentando ampliar a denúncia. Vocês que estão querendo reduzir a minha denúncia. Não estou dizendo que Vossas Excelências têm que aceitar a minha denúncia. O que estou dizendo é que vocês são competentes para analisar o texto na íntegra”, disse.
Para a advogada, a prova de que a presidente Dilma cometeu crime de responsabilidade está no fato de que ela tentou, segundo Janaína, esconder as manobras fiscais. “A prova do dolo é que a presidente escondeu as manobras”, disse.
Com poucos senadores em plenário, já perto da meia-noite, a advogada elevou o tom da discussão ao responder, aos gritos, o senador Telmário, que perguntou se ela era, de fato, advogada do procurador Douglas Kirchner, demitido do cargo no início do mês por ter sido acusado de participar de episódios de espancamento à própria esposa e de mantê-la em cárcere privado.
“Eu não pretendo aqui falar dos meus clientes. Mas posso falar do que já falei em público. Meu cliente nunca bateu na mulher dele. Quem bateu foi a tia, pastora”, disse. “Isso fere o meu papel de advogada e eu não vou admitir. Meus clientes são sagrados. E o sigilo profissional também. Não quero brincadeira com os meus clientes aqui dentro”, reagiu aos gritos.
Kirchner ganhou notoriedade por atuado na investigação que apura suspeitas de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cometeu tráfico de influência em favor da Odebrecht. Os advogados do petista o acusam de negar acesso aos documentos do inquérito. De acordo com Janaína, a atuação do procurador no caso do ex-presidente foi apenas uma coincidência.
A advogada também se defendeu ao dizer que não “estava bêbada” no dia em que fez um discurso em ato realizado no Largo do São Francisco, em São Paulo. O vídeo, em que aparece exaltada, viralizou na internet.
Janaína contou aos senadores que participou do movimento caras-pintadas em 1992, que pediu o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello. “Pedir o impeachment de um presidente é um processo dolorido. Eu pedi o impeachment do presidente Collor em 92. Foi dolorido lá e está sendo dolorido agora. Ninguém fica feliz com isso”, disse.
Já perto da meia-noite, o senador Romário (PSB-RJ) comparou a advogada com ele próprio quando era jogador de futebol. “Vossa Excelência me lembra muito um jogador de futebol que usava a camisa 11 da seleção brasileira no passado, que não se intimidava com o tamanhos de zagueiros, com cor, com beleza. Enfim, independente de jogar na sua casa ou na casa do adversário, esse então jogador sempre foi muito destemido e teve muito sucesso na sua carreira”, disse.
Último a falar na sessão, o líder do PSDB, Cássio Cunha Lima (PB), elogiou as posições defendidas pela advogada e aconselhou: “vai dormir, tenha o sono da mulher justa”.
A sessão começou por volta das 16h25 e só acabou à 01h20 de sexta-feira (29). Antes de Janaína e do advogado Miguel Reale Jr., também autor do pedido de impeachment, falarem, os senadores protagonizaram uma série de troca de acusações entre governistas e oposição, o que chegou a ser classificado como um comportamento de “jardim de infância” pela senadora Rose de Freitas (PMDB-ES). A discussão acabou atrasando em mais de uma hora o início das exposições dos advogados.
Na manhã desta sexta, a comissão ouvirá o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, e os ministros Nelson Barbosa (Fazenda) e Kátia Abreu (Agricultura) na sessão destinada à defesa da presidente. A reunião está marcada para às 9h.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

UTILIDADE PÚBLICA: "Governo do estado inicia pagamento no próximo dia 06"

O Governo vai pagar dia 6 de maio (sexta-feira) os vencimentos de todos os aposentados, pensionistas, além dos servidores da Saúde, Educação, Justiça e Cidadania e Segurança (polícias militar e civil, Itep e Corpo de Bombeiros).
Os funcionários dessas áreas somados aos aposentados e pensionistas correspondem a 92.384 servidores ou 93% da folha de pessoal do Estado.
Na segunda-feira (9) serão depositados os salários dos funcionários das pastas de Administração; Gabinete Civil; Consultoria; Procuradoria; Comunicação; Controladoria; Vice-governadoria; Planejamento; Tributação; Agricultura e Pesca; Desenvolvimento Econômico; Infraestrutura; Trabalho, Habitação e Assistência Social; Recursos Hídricos; Turismo; Assuntos Fundiários e Reforma Agrária; e Esporte e Lazer. E no dia 10 (terça-feira), o Governo deposita os vencimentos dos servidores da Administração Indireta dependente (ver quadro abaixo).





CURRAIS NOVOS: "Milena Galvão anuncia que é pré-candidata a prefeita "

O atual prefeito de Currais Novos, Vilton Cunha, está decidido a não entrar na disputar pela reeleição, fazendo o grupo político liderado pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), buscar novas alternativas.
Ezequiel lidera o grupo formado além de Vilton Cunha, pela advogada Milena Galvão, pelo ex-prefeito Zé Lins e por vereadores, entre eles, João Neto. Já está decidido internamente, que o (a) candidato (a) à Prefeitura será escolhido em diálogo que já vem acontecendo entre o grupo, além de pesquisa qualitativa e quantitativa.
A novidade é que a advogada Milena Galvão, que já foi vice-prefeita de Currais Novos e Diretora do Hospital Regional, onde realizou um excelente trabalho, decidiu colocar o nome à disposição para disputar o comando do executivo currais-novense. Carisma não lhe falta.
“Integramos um grupo liderado pelo presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira. Colocamos o nosso nome à disposição como pré-candidata a Prefeita de Currais Novos. Será uma decisão conjunta com amplo diálogo de todo o grupo”.

PARELHAS: "Chapa proporcional deve ser a pauta das duas coligações"

Definidos os nomes para prefeito e vice, nas duas chapas, tanto na situação, quanto na oposição, o caminho agora é discutir a chapa proporcional.
Pela situação os nomes estão se definindo, faltando ainda alguns ajustes. Certeza mesmo são os nomes dos atuais vereadores, com a exceção  do vereador Ênio Ângelo que já confessou  ao Blog que não disputará a reeleição. Então restam os nomes do vereadores Tom, Pepeu, Messias e Frank.
Ainda pela situação, devem disputar uma cadeira no legislativo, o ex vereador Canindé Moreno, a filha do atual vice prefeito, Rogéria Dantas, o suplente Dedeca e outros nomes de  partidos aliados como o PC do B e PTN.
Pela oposição os cinco vereadores que compõem a bancada devem ir para disputa, além do suplente José Gonzaga e é claro do ex vereador Humberto Alves Gondin.
Aguardemos então as composições das chapas e a preparação para a disputas dos votos, que é bom lembrar, não será fácil, tanto para um lado, quanto para outro.

Senadores vão levar carta a Dilma pedindo que ela apoie novas eleições

O grupo de senadores que encampa a proposta de emenda à Constituição (PEC) que propõe novas eleições presidenciais este ano, para um mandato tampão de dois anos, vai levar amanhã (28) uma carta à presidenta Dilma Rousseff pedindo que ela apoie a ideia. A PEC propõe a eleição de presidente e vice-presidente em outubro deste ano, junto com as eleiçoes municipais. A posse presidencial seria em janeiro do ano que vem e o mandato terminaria no fim de 2018.
Os senadores apelam para a “grandeza e coragem” das lideranças políticas e argumentam que a legitimidade social e política do governo de Dilma não será resolvida com o impeachment. Nesse sentido, eles alegam que a proposta de novas eleições pode ser “redentora” e ter o condão de “unificar” o país.
Eles pedem que Dilma apoie a PEC, já em tramitação, ou remeta uma nova proposta, de autoria do Poder Executivo, para garantir que o futuro governo seja eleito pelo voto popular. “Nós aceitamos qualquer um dos caminhos que resultem em novas eleições. Seja pelo julgamento rápido do TSE, mas isso não depende da vontade das lideranças políticas, seja a presidente da República encaminhando uma proposta de plebiscito, ou seja em conquência da aprovação da PEC. O que nós queremos é que essa questão seja resolvida através do voto popular”, disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).
Assinam a carta cinco dos seis senadores que apresentaram a PEC: João Capiberibe (PSB-AP), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Lídice da Mata (PSB-BA), Cristovam Buarque (PPS-DF) e Paulo Paim (PT-RS).
O único que não assina o documento é o senador Walter Pinheiro (Sem Partido-BA). Embora ele seja signatário da PEC, Pinheiro optou por não compartilhar da carta que pede o apoio da presidenta por achar que uma eventual iniciativa dela nesse sentido deveria ocorrer de maneira espontânea.
Fonte: Agência Brasil

MISTURA: "Governo Temer será uma espécie de Frankentein de Lula com FHC"

O primeiro escalão de um cada vez mais provável Governo Michel Temer (PMDB) tem tudo para se tornar uma mistura de nomes que foram homens de confiança de duas gestões presidenciais, a de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Dos 21 ministeriáveis que foram colocados na mesa até agora, dez já estiveram em uma das duas gestões. Há outros cinco que ocuparam cargos no Governo Rousseff, mas não por exatamente próximos a ela, mas por acordos políticos com o próprio PMDB ou com o PSD. “Se ocorrer, o governo Michel será uma espécie de Frankenstein de Lula com o FHC. Isso sem excluir o núcleo duro peemedebista”, disse um auxiliar do PMDB que acompanha as negociações. As conversas foram intensificadas pelo vice-presidente desde que a Câmara dos Deputados admitiu, em 17 de abril, o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT).
Além disso, Temer deverá fazer um corte no número de ministérios. A expectativa é que entre sete e dez sejam cortados. Hoje, são 32 pastas. Essa redução, no entanto, não deve interferir na participação de alguns dos partidos do “centrão” do Congresso Nacional, como o PSD e o PP, que somam 83 das 513 cadeiras na Câmara e 10 das 81 vagas do Senado. Ambos deverão manter parte dos cargos que já ocupavam na gestão Dilma Rousseff. As legendas nanicas que deram apoio ao impeachment ficariam com cargos de menor expressão, como presidências de autarquias e superintendências.
Mesmo com o grupo de Temer alegando que nenhum nome foi oficializado porque ele ainda não está na presidência, estão no ar nomes quase certos e vários balões de ensaio, o jargão político dado a nomes vazados quer seja para testar sua receptividade ou para tentar emplacá-los. Um deles foi o advogado Antônio Claudio Mariz de Oliveira no Ministério da Justiça. Depois que o nome dele surgiu e ele concedeu entrevistas criticando a Operação Lava Jato, logo foi descartado. Para essa função, o vice-presidente estuda os nomes de um ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Ayres Britto ou Carlos Velloso. “Não há ninguém convidado para ser ministro. O que estão ocorrendo são conversas para avaliações particulares dele [Temer]. Tem alguns nomes que são mais desejos dos próprios citados que qualquer outra coisa”, disse o senador Romero Jucá (PMDB)

BRASIL: "Deputadas interrompem sessão e tomam lugar de Cunha"


Uma verdadeira rebelião de deputados e deputadas, principalmente por parte das parlamentares, levou à suspensão da sessão plenária desta quarta-feira 27), com muitos protestos contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A confusão teve início quando Cunha não acatou pedidos de verificação nominal de um projeto e declarou rejeitado o requerimento de retirada de pauta da matéria. A proposição cria comissões permanentes, reunindo no colegiado destinado às mulheres outras categorias sem relação direta com o propósito original.

Diante da postura de Cunha, que não deu ouvidos aos apelos das deputadas, um grupo de parlamentares ocupou a Mesa Diretora e as duas tribunas diametralmente opostas do plenário. Um grupo de deputadas impediu, dessa maneira, que o deputado João Campos (PSDB-GO), aliado de Cunha, pudesse usar um dos microfones e dar continuidade à sessão – o peemedebista se mantinha decidido a aprovar a matéria.
“Vou suspender por cinco minutos a presente sessão para que acalmem e cheguem ao consenso”, declarou o deputado, diante do protesto de cerca de 30 deputados e deputadas, aos gritos de “não” e “fora, Cunha”. Nesse momento, ele já estava rodeado por diversas deputadas – de dedo em riste contra Cunha, Moema Gramacho (PT-BA) era uma das mais exaltadas e, quando o deputado se levantou para ir à reunião de líderes no gabinete da Presidência, ocupou a cadeira central da Mesa.

PROTESTOS: "Contra ‘tesouradas’ de Temer, MTST fecha vias em 8 Estados e o DF"

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) realiza nesta quinta-feira (28) manifestações contra o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Segundo os organizadores, cidades de pelo menos oito Estados e do Distrito Federal são palco dos protestos dos movimentos da Frente Povo Sem Medo, que bloqueiam ruas e avenidas.
Segundo o próprio MTST, são 14 bloqueios na região metropolitana de São Paulo. As manifestações acontecem simultaneamente em Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Recife, Fortaleza, Goiânia, Belo Horizonte, Uberlândia e Brasília, segundo o próprio movimento.
Em São Paulo, os manifestantes fecharam rodovias como a Régis Bittencourt nos dois sentidos e a Raposo Tavares com queima de pneus. A pista local da marginal Tietê e a avenida Giovanni Gronchi também foram bloqueadas. No Rio de Janeiro, as paralisações acontecem na BR-101, no acesso a Ponte Rio-Niterói.
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a avenida Jacu Pêssego foi fechada às 7h na altura do cruzamento com a avenida Ragueb Chohfi. Cerca de 100 pessoas participaram da interdição, gritando palavras de ordem contra Michel Temer e Eduardo Cunha. “Não tem arrego; ou negocia ou não vai ter sossego”, cantavam. A Polícia Militar reagiu com balas de borracha, iniciando a dispersão. Um manifestante foi detido.
“O objetivo da mobilização é denunciar o golpe em curso no país e defender os direitos sociais, que entendemos estarem ameaçados pela agenda de retrocessos apresentada por Michel Temer caso assuma a presidência”, diz comunicado do MTST nas redes sociais. “Não aceitaremos golpe. Nem nenhum direito a menos”, completa a nota.

PARELHAS: "Câmara Municipal assina acordo que prever implantação do Portal da Transparência"

A Câmara Municipal de Parelhas assinou acordo com o Ministério Público onde se compromete a publicar o portal da transparência, com todos os contratos, receitas e despesas do Legislativo. A atualização do site deve ser diária.
O termo assinado pela promotora Kaline Cristina Dantas Pinto e pelo presidente da Câmara, Frank Kleber de Lima, tem a força de um título extrajudicial. Caso não seja cumprido, o Ministério Público aciona a Justiça.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

LULA: “Quadrilha legislativa” conduz impeachment"

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje (25) que o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff está sendo conduzido por uma “quadrilha legislativa”. Lula participa de encontro promovido pela Aliança Progressista, uma rede internacional de partidos e organizações de esquerda. Com a voz rouca, o discurso do ex-presidente foi lido pelo diretor do Instituto Lula, Luiz Dulci.
“Uma aliança oportunista entre a grande imprensa, os partidos de oposição e uma verdadeira quadrilha legislativa, que implantou a agenda do caos”, disse Lula.

HÁ O QUE "TEMER": Para evitar aumento de impostos, Temer propõe que aposentados paguem a conta

Para escapar de uma alta inevitável de impostos neste primeiro momento, o grupo que apoia o vice-presidente Michel Temer vai insistir na proposta de desvincular benefícios –incluindo os da Previdência– dos reajustes concedidos ao salário mínimo.
A aprovação dessa medida, impopular, mas necessária, segundo conselheiros do vice, seria possível graças a uma “onda” receptiva do Congresso às propostas de um eventual governo Temer para solucionar a crise brasileira.
A ideia é acabar também com as vinculações constitucionais, como gastos obrigatórios com saúde e educação, que engessam o Orçamento federal.
A avaliação é de que esse caminho é mais viável do que a elevação de tributos num momento de recessão da economia. Segundo os assessores de Temer, agora é hora de cortar despesas, em vez de aumentar as receitas.
A adoção dessas medidas seria uma forma de sinalizar ao mercado que um eventual governo do vice estaria preocupado em resolver a questão fiscal pela via das despesas. Temer também se comprometeria com uma reforma mais estruturante, dos gastos da Previdência Social.

MANOBRA: "PSDB decide dar apoio integral a eventual governo Temer"

Após mais de uma semana de embates públicos entre algumas das principais lideranças do partido, o PSDB decidiu nesta terça-feira que dará apoio integral ao governo de Michel Temer, inclusive com a participação em ministérios caso haja convite.
A unidade tucana só saiu após o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso aderir à linha que vinha sendo defendida pelos senadores José Serra (SP) e Aloysio Nunes Ferreira (SP) e defender publicamente o apoio integral da legenda ao governo peemedebista. Assim, acabou sendo derrotada a posição de apoio apenas parlamentar, que vinha sendo propagada pelos dois principais pré-candidatos da legenda à presidência: o senador Aécio Neves (MG) e o governador Geraldo Alckmin (SP).
Um dia após o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PMDB) ser contra a nomeação de integrante do partido, o tucano disse não ver o menor problema “se houver convite”. Para ele, o partido deve ajudar o país, principalmente na questão econômica.

PERIGO: "Collor vai a Temer propor programa contra a crise"

O senador Fernando Collor (PTC-AL), primeiro presidente da República a sofrer impeachment, esteve nesta terça-feira no gabinete do vice-presidente Michel Temer. Ao deixar o local, em uma rara fala à imprensa, declarou que a reunião foi para anunciar um plano de diretrizes de reconstrução nacional produzido pelo bloco moderador participante da comissão que analisa o impeachment da presidente: PTB, PR, PRB, PTC e PSC.
— Solicitamos essa audiência com o vice-presidente para apresentar a ele, como já apresentamos ao Senado, à sociedade e ao Palácio do Planalto, um programa fruto de estudos realizados pelo próprio bloco de reconstrução nacional. Uma série de observações que nós entendemos importantes para que, sendo seguidas, essas sugestões possam tirar o país da crise — disse.
Questionado sobre o que achava sobre o processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff, Collor, recuou e encerrou a entrevista. — Nós estivemos aqui tratando com o vice-presidente da república de uma questão objetiva. O resto é outra crônica — completou o senador.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Fátima Bezerra cita pesquisa do Ibope que mostra apoio da população a Dilma

Em pronunciamento nesta segunda-feira (25), a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) afirmou que o Senado terá papel fundamental nessa etapa do processo de impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff. Se corroborar a decisão da Câmara dos Deputados que admitiu a abertura do processo, o Senado deverá analisar o mérito da questão, por meio da verificação da existência do crime de responsabilidade.
Nesse ponto, Fátima Bezerra acredita que ficará provado que as chamadas pedaladas fiscais não podem fundamentar um pedido de impeachment e, por isso, qualquer decisão no sentido de afastar Dilma da Presidência deverá ser classificada de golpe.
A senadora ainda citou dados de pesquisa do Ibope, divulgada no domingo, que mostram que apenas 8% dos brasileiros acreditam que o impeachment de Dilma e a nomeação de Michel Temer ao cargo de presidente da República será a melhor saída para o país.

PESQUISA: "62% querem novas eleições e 8% preferem Temer"

A pressão popular por uma chegada antecipada das eleições marcadas para 2018 é grande: 62% querem eleger um novo presidente já. Pouca gente aprecia as alternativas. Só 25% defendem a permanência de Dilma e meros 8% preferem um governo do vice Michel Temer. Mesmo assim, os principais candidatos viram sua taxa de rejeição aumentar – enquanto a intenção de voto caiu. Como se vê, a corrida presidencial está aberta.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

AO VIVO: "11ª Sessão ordinária da Câmara Municipal de Santana do Seridó"

SANTANA DO SERIDÓ: "Audiência Pública sobre o projeto SIM (Serviço de Insperção Municipal)"

SANTANA DO SERIDÓ: "Hudson Brito viabiliza apoios para o seu projeito de eleição"

Durante entrevista nesse final de semana na Rádio Rural de Parelhas, o secretário de Articulação com os Municípios, Hudson Brito (PSD), confirmou que irá buscar viabilizar sua candidatura para prefeito.
Inclusive, ele poderá ter o apoio de Ivanildo Pereira, do PR. Hudson Brito também contará com o apoio do presidente da Câmara Municipal, Ivan Dantas, vereador pelo PSD.

PERGUNTAR NÃO OFENDE: "O que será da Lava Jato com o PMDB comandando tudo?"

A Lava Jato enfrentará em breve um de seus mais difíceis desafios. Na medida em que o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff avança e o vice Michel Temer fica mais próximo de ocupar o Palácio do Planalto, surge a pergunta: o que será da operação com o PMDB no poder? Caso se confirme o afastamento da petista em votação no Senado, o Executivo e as duas casas do Legislativo estarão sob o comando de peemedebistas. Os três chefes do Executivo e do Legislativo – Temer, Renan Calheiros e Eduardo Cunha – foram citados por delatores do esquema de corrupção da Petrobras. Os dois últimos são alvos de investigação formal pelo suposto envolvimento na Lava Jato. Cunha, inclusive, deve ser alvo de duas novas denúncias, segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, responsável pelos pedidos de investigação de políticos com foro privilegiado ao Supremo Tribunal Federal (STF).
Se a situação de Cunha é mais complicada – ele já é réu no STF –, a de Renan e Temer tende a se agravar conforme novos acordos de delação premiada são firmados com a Justiça. Segundo a revista Época deste final de semana, o engenheiro José Antunes Sobrinho, um dos donos da Engevix preso desde setembro, disse aos procuradores ter pago propina a operadores que falavam em nome dos dois peemedebistas. Ele disse também que, durante os governos petistas, ambos foram responsáveis pela nomeação de afilhados políticos em estatais como a Petrobras e a Eletronuclear.
Além disso, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da operação na primeira instância, o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró afirmou na segunda-feira que Renan recebeu propina de 6 milhões de dólares (cerca de 24 milhões de reais) em 2006. O pagamento seria referente a um contrato de fretamento do navio-sonda Petrobras 10.000. O delator está preso desde janeiro de 2015.

DO BLOG: "Não tenho nenhuma dúvida que a operação Lava-Jato será sepultada. Mais um ano e a lava-jato será lembrada apenas como um espaço de lavar carros".




Jean Wyllys é eleito melhor deputado de 2015

Com 19.809 votos, o deputado pelo Rio de Janeiro Jean Wyllys (Psol) foi eleito o melhor deputado de 2015 pelo público pela internet no Prêmio Congresso em Foco. O parlamentar também foi o mais bem avaliado em 2012 e 2013. Jean Wyllys também ganhou na categoria Parlamentares de Futuro e na Defesa da Cidadania e da Justiça Social. Além disso, foi o segundo deputado mais bem avaliado pelos jornalistas que fazem cobertura do Congresso Nacional.
O deputado do Psol é conhecido por defender os direitos dos movimentos LGBT, dos negros e das mulheres. Jean Wyllys foi um dos 167 deputados que votou contra a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Entre os deputados que ficaram entre os 20 mais bem avaliados, estão os parlamentares paulistas Eduardo Bolsonaro (PSC), filho do também deputado Jair Bolsonaro, Celso Russomano (PRB), Tiririca (PR) e Luiza Erundina (PSOL).

CORRUPÇÃO DE PAI PRA FILHO: "Janot atribui a Agripino (DEM) ‘estratégias de lavagem de dinheiro"

Ao requerer ao Supremo Tribunal Federal (STF) a quebra do sigilo bancário e fiscal de José Agripino Maia (DEM/RN), presidente nacional do Democratas, o procurador-geral da República Rodrigo Janot atribuiu ao senador ‘estratégias de lavagem de dinheiro’.
Em manifestação de dezoito páginas entregue ao ministro Luís Roberto Barroso, o procurador assinalou que ‘no curso do complexo investigatório denominado Operação Lava Jato, colheram-se elementos que apontam no sentido da solicitação e do recebimento, de forma oculta e disfarçada, de vantagens pecuniárias indevidas por parte do senador’.
O afastamento do sigilo de Agripino, um dos principais e mais ferrenhos opositores do governo Dilma no Senado, foi acolhido pelo ministro Barroso. O ministro autorizou, ainda, o afastamento do sigilo de dados bancários e tributários de empresas e de familiares de Agripino, inclusive um filho dele, o deputado Felipe Maia (DEM/RN).

sexta-feira, 22 de abril de 2016

VÍDEO: "Robinson é vaiado e chamado de golpista em Assu"


Dias após o PT romper com o seu Governo, o governador Robinson Faria (PSD) ainda tenta colher os frutos das ações do Governo Federal.
Nesta quarta-feira (20), Robinson foi à Assú, participar da entrega de 396 casas do Programa Minha Casa Minha Vida, onde recebeu vaias aos gritos de “golpista”.
O fato se referiu ao voto dado pelo deputado federal Fábio Faria (PSD), filho do governador, favorável ao impeachment da Presidente Dillma Rousseff (PT).
O empreendimento recém entregue ajudará a diminuir o déficit habitacional da capital do Vale do Açu, hoje estimado em 1500 moradias.
Também acompanharam o evento, o deputado estadual Ricardo Motta, o superintendente estadual do Banco do Brasil, Ronaldo Alves, o delegado federal do Ministério da Integração Agrária para o Rio Grande do Norte, Caramuru Paiva, e o deputado federal Antônio Jácome.

MAU EXEMPLO: "Golpista Henrique Alves tem Carteira de Motorista apreendida na Blitz do Bafômetro em Natal"

O ex-ministro do Turismo e golpista, Henrique Eduardo Alves  se recusou a fazer um teste de bafômetro ao ser parado em uma blitz realizada pela Polícia Militar e Detran na madrugada da última quinta-feira (21) na Zona Sul de Natal. .Como não soprou o aparelho, a carteira de habilitação dele ficou retida.
Henrique Alves tem até cinco dias úteis para ir ao Detran reaver o documento. Sem o teste do bafômetro não ficou comprovada a ingestão de bebida alcoólica. Assim, ele não vai responder criminalmente. Mas, ele ainda vai responder administrativamente e vai pagar multa de R$ 1.915,40.

REAÇÃO: "Mais de um milhão de internautas pedem a cassação de Cunha"

O Globo
Mais de um milhão de internautas já assinaram uma petição online pedindo a cassação do mandato do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A campanha, hospedada na plataforma global Avaaz, foi criada em outubro do ano passado, mas viu o número de assinaturas explodir após a votação pela abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.
Segundo Diego Casaes, coordenador de campanhas no Brasil e membro da Avaaz há cinco anos, a petição havia conquistado 250 mil apoiadores até o fim do ano passado. Um primeiro boom foi identificado quando as notícias sobre contas na Suíça do deputado foram divulgadas, mas o ritmo de adesões arrefeceu. Até abril deste ano, o site contava 330 mil assinaturas.
Depois que a Câmara votou favoravelmente ao envio do processo de impeachment para julgamento no Senado, o coordenador da Avaaz notou um grande aumento no número de assinaturas — usando o jargão, ela havia se tornado “viral”. Por volta das 14h15m da terça-feira, a petição atingiu o milionésimo apoiador. Na tarde de quarta feira, outras 200 mil pessoas já tinham assinado.




Mineiro acusou Fábio Faria e o governo de traidores

O deputado Fernando Mineiro, do Partido dos Trabalhadores, tem feito desabafos na imprensa e no plenário da assembléia Legislativa, acusando o Governo Robinson Faria e seus seguidores, em especial, seu filho Fábio Faria, de traidores do PT.
Estiveram aliados, PT e PSD, na campanha eleitoral, aliança que possibilitou Robinson chegar ao governo do estado. O RN foi dos poucos estados do Brasil, que contou com a presença de Lula no programa eleitoral de televisão, recomendando a candidatura de Robinson Faria. O deputado Mineiro não se conforma de ver seu partido agora abandonado pelos antigos aliados e dispara: “traidores e golpistas”.
O Diário Oficial dessa quarta feira, dia 20, seguindo orientação do PT que colocou todos os cargos à disposição do governo, traz a exoneração dos cargos indicados pelo partido. Fica decretado assim, o afastamento do PT em definitivo, selando o rompimento. Pessoas ligadas ao Partido dos Trabalhadores, têm feito côro às acusações de Mineiro, revoltadas com o comportamento do governo, em relação ao PT.

BRASIL: "Manifestantes protestam contra Temer em São Paulo"

Manifestantes do movimento Levante Popular da Juventude fizeram um ato na manhã de hoje (21) em frente à residência do presidente em exercício Michel Temer, no Alto de Pinheiros, zona oeste da capital paulista.
Carregando cartazes com imagens de Temer, instrumentos musicais, coreografias e gritos de “Não vai ter golpe”, os manifestantes protestaram entre as 08h e as 09h da manhã. Eles deixaram o local em um ônibus.
Segundo Larissa Sampaio, uma das integrantes do movimento, o ato foi destinado a chamar a atenção para o que chama de golpe contra a presidenta da República, Dilma Rousseff.

ZÉLIA DUNCAN: "Andamos tão enviesados moralmente que, no Brasil, até o diabo pede misericórdia e todos dizem amém!”

A cantora Zélia Duncan fez uma dura crítica ao deputado Jair Bolsonaro, que dedicou seu voto do impeachment a um coronel da ditadura, e disse que ele mantém um ‘pacto sinistro’ com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB):
“O rei dos réus presidindo a sessão já deveria ser ilegal, e, eu pergunto: exaltar assassinos confessos na hora de um voto tão importante para todos não seria também algo que precisa de uma consequência? Esse mesmo sujeito, Jair Voldemort Bolsonaro, exalta também Eduardo Cunha, o cínico dos cínicos, esfrega na nossa cara esse poder sombrio que os une, o poder de tirar o pudor do armário. O pudor de ser uma criatura da lama virou orgulho de repente. Andamos tão enviesados moralmente que, no Brasil, até o diabo pede misericórdia e todos dizem amém!”, escreveu ela em artigo.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

CONGRESSO SEM MORAL: "Dos 513 deputados, 299 têm ocorrências judiciais, mostra pesquisa"

Quase a totalidade dos 513 deputados federais votaram no plenário da Câmara dos Deputados e decidiram sobre o prosseguimento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O processo se baseia em crimes de responsabilidades da presidente, como as “pedaladas fiscais”. A votação escancarou as deficiências do Congresso brasileiro.
Levantamento da Agência Lupa, usando a base de dados do site Excelências e informações extraídas do sistema de busca de ações penais do Supremo Tribunal Federal (STF), mostrou que 299 parlamentares da atual legislatura possuem “ocorrências” na Justiça e/ou nos Tribunais de Contas, isto é, quase 60% do total. A publicação ainda mostrou que 76 deles já foram condenados.
Com os dados, a Lupa fez um extenso mapa capaz de informar os brasileiros sobre quantos deputados federais possuem inquéritos (investigações) em aberto e/ou ações em andamento, estejam eles correndo nos tribunais de justiça, de contas, eleitorais ou superiores.

JOAQUIM BARBOSA: "É de chorar de vergonha! Simplesmente patético".

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal e hoje advogado Joaquim Barbosa utilizou nesta segunda-feira, 18, seu perfil no Twitter para desabafar sobre seu descontentamento com o teor dos votos dos deputados no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no último domingo. O ex-ministro não se manifestou a favor nem contra o impeachment da petista.
“É de chorar de vergonha! Simplesmente patético!”, afirmou o ex-ministro que ficou famoso pela sua atuação dura no processo do mensalão, que levou à prisão os principais nomes da cúpula do PT. O comentário de Barbosa foi feito logo após criticar a imprensa brasileira e recomendar aos seus seguidores assistirem a entrevista de Glenn Greenwald à emissora de TV americana CNN e também lerem a matéria da revista britânica The Economist listando as justificativas dos deputados em seus votos pelo impeachment.
Nos votos, a maioria dos parlamentares favoráveis ao afastamento da petista não fizeram nenhum comentário ou posicionamento sobre as pedaladas fiscais – manobras contábeis que embasam o pedido de impeachment – e utilizaram como justificativa seus próprios familiares, “deus”, “cristianismo”, o fim da corrupção, dentre outros motivos que surpreenderam até jornais internacionais.

Veja indicados até agora no Senado para comissão do impeachment

O processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff começou seu trâmite no Senado com a eleição da comissão que vai analisar o caso. Os blocos partidários indicam nomes para formar o colegiado, que terá 21 membros titulares e 21 suplentes. A quantidade de indicados é proporcional ao tamanho das bancadas das legendas que formam o bloco.
A eleição da comissão foi antecipada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) de terça-feira (26) para segunda (25). Ainda não fizeram indicações oficiais os blocos: do PMDB, de apoio ao governo (PT e PDT), Democracia Progressista (PP e PSD) e Socialismo de Democracia (PSB, PPS, PC do B e Rede)
Veja os nomes indicados até agora para compor a comissão no Senado:
Bloco da oposição (DEM, PSDB e PV)
– Titulares
Aloysio Nunes (PSDB-SP)
Antônio Anastasia (PSDB-MG)
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)
– Suplentes
Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
Paulo Bauer (PSDB-SC)
Davi Alcolumbre (DEM-AP)
Bloco Moderador (PTB, PR, PSC, PRB e PTC)
– Titulares:
Wellington Fagundes (PR-MT)
Zezé Perrella (PTB-MG)
– Suplentes:
Eduardo Amorim (PSC-SE)
Magno Malta (PR-ES)

Renan antecipa para segunda-feira eleição da comissão de impeachment

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) antecipou da próxima terça-feira (26) para segunda (25) a eleição dos membros da comissão especial que apreciará o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Inicialmente, Renan havia dado prazo até sexta (22) para que os líderes partidários indicassem os membros do colegiado, e a eleição ocorreria na terça seguinte.
Senadores da oposição se opuseram à ideia inicial de Renan e pediram que a comissão fosse composta ainda na segunda. Irritado, Renan Calheiros disse que não poderia obrigar que os líderes indicassem os membros e afirmou que ele próprio faria a escolha, se necessário, após o prazo de 48 horas.
O presidente do Senado chegou a dizer que pode pedir ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que assuma o comando da Casa legislativa antes do previsto em lei, para comandar o rito do impeachment e dirimir questionamentos. O senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente do PSDB, então sugeriu manter o prazo de 48 horas para indicações, mas propôs antecipar a eleição do colegiado de terça para segunda.

terça-feira, 19 de abril de 2016

CORRUPÇÃO: "Marido de deputada que votou pelo impeachment foi preso pela PF"

O prefeito de Montes Claros, em Minas Gerais, Ruy Adriano Borges Muniz (PSB) e a secretária de saúde do município, Ana Paula Nascimento, foram presos preventivamente pela Polícia Federal na manhã desta segunda-feira (18). A operação Máscara da Sanidade II – Sabotadores da Saúde investiga fraudes para favorecer hospitais privados ligados ao prefeito da cidade. Segundo o Estado de S. Paulo, a prisão aconteceu um dia depois de o político ter sido elogiado por sua mulher, a deputada Raquel Muniz (PSB), ao proferir seu voto pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.
“Meu voto é pra dizer que o Brasil tem jeito, o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós com sua gestão”, disse a deputada na votação ocorrida neste domingo (17).   Segundo a PF, somente em outubro de 2015, o grupo de Muniz retirou cerca de 26 mil consultas especializadas e 11 mil exames dos hospitais públicos municipais.

DO BLOG: "Prova mais do que concreta que o impeachment não é por causa da corrupção".

PARAÍBA: "Homem tem dedos decepados ao soltar bomba em comemoração a votação da Câmara"

Um homem identificado como Edmílson, teve parte de sua mão esquerda decepada por uma bomba na noite deste domingo (17) em Cajazeiras.
Segundo informações, o acidente ocorreu quando a vitima soltava bombas, comemorando o resultado da votação do impeachment da Presidenta Dilma.
O homem teve dois dedos praticamente arrancados, além de vários ferimentos graves.
O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado socorrendo o mesmo para o Hospital Regional de Cajazeiras onde o mesmo está internado.

Em vídeo, Zenaide Maia justifica voto contra impeachment

PT vai discutir proposta de novas eleições

O diretório nacional do PT vai apreciar nesta segunda-feira, 18, a proposta de lançar uma campanha nacional pela realização de novas eleições para a presidência. A proposta será apresentada pelo secretário nacional de Finanças do partido, Márcio Macedo.
“Vou defender que o PT não aceite nem apoie um governo que não veio das urnas, discutir qual futuro nós queremos e a realização de eleições diretas para presidente do Brasil”, disse o dirigente petista. A realização de novas eleições vem sendo discutida no PT e no governo há mais de um mês e ganhou força na última semana, com a iminência da aprovação pela Câmara do prosseguimento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.
O deputado Wadih Damous (PT-RJ), um dos mais influentes deputados da bancada petista na Câmara, também defende a proposta. Na entrevista que concedeu quarta-feira Dilma também disse “respeitar uma proposta que venha das urnas”.

NO SENADO: "Cunha entrega para Renan processo de impeachment de Dilma"

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), entregou nesta segunda-feira (18) o processo de impeachment de Dilma Rousseff ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PDMB-AL). Os dois tiveram um encontro no gabinete de Renan na parte da tarde. A pilha de documentos do processo, com 36 volumes e 11 anexos, foi entregue por um servidor da Câmara na Secretaria Geral da Mesa.
Neste domingo (17), a Câmara dos Deputados decidiu, por 367 votos a favor, 137 contrários, sete abstenções e duas ausências, encaminhar o processo de impeachment ao Senado, que deverá decidir se julga o caso (veja resumo do rito no Senado ao final desta reportagem).
Um resumo do processo deverá ser lido na sessão desta terça-feira (19) no Senado, e deverão ser indicados os integrantes da comissão especial que analisará o caso. O presidente e o relator do colegiado, que terá 21 senadores titulares, deverão ser eleitos dentro do prazo de 48 horas. A reunião da comissão deve acontecer na quarta-feira (19), já que quinta-feira é feriado.
O presidente do Senado reconheceu que existe uma pressão para que o processo ande de maneira rápida. Renan disse, no entanto, que não pode haver “atropelo” nem “procrastinação”. “Nós temos pessoas que pedem para agilizar o processo, mas nós não poderemos agilizar de tal forma que pareça atropelo, ou delongar de tal forma que pareça procrastinação”, disse Renan Calheiros.

DILMA: "“Também me sinto injustiçada por não permitirem nos últimos 15 meses que eu tenha governado num clima de estabilidade política”

A presidente Dilma Rousseff reiterou várias vezes, durante pronunciamento nesta segunda-feira (18) no Palácio do Planalto, que se sente injustiçada com a decisão da Câmara dos Deputados sobre o prosseguimento do processo de impeachment ao qual responde.
Por 367 votos a 137, os deputados aprovaram neste domingo (17) autorizar a abertura do processo no Senado, instância responsável por julgar se a presidente cometeu crime de responsabilidade. Dilma afirmou que se sente injustiçada, entre outras razões, porque a sessão da Câmara foi presidida por alguém, que é acusado de ter contas ilegamente no exterior, em referência ao deputado Eduardo Cunha.
“Também me sinto injustiçada por não permitirem nos últimos 15 meses que eu tenha governado num clima de estabilidade política”, declarou. De acordo com a presidente, a injustiça também é praticada porque, segundo afirmou, não cometeu crime de responsabilidade e devido a um suposto tratamento diferenciado.
“Não há crime de responsabilidade. Os atos pelos quais me acusam foram praticados por outros presidentes da República antes de mim e não foram caracterizados como atos ilegais ou criminosos”, declarou. “A mim se reserva um tratamento que não se reservou a ninguém. Os atos que me acusaram foram praticados baseados em pareceres técnicos.”

FÁTIMA BEZERRA: "O que vimos foi o rebaixamento da política, uma desqualificação”

A senadora Fátima Bezerra se disse indignada, nesta segunda-feira (18), pela aprovação da abertura do processo de impeachment, da presidenta Dilma Rousseff, pela Câmara dos Deputados. Segundo a parlamentar, a maioria do povo brasileiro está estarrecida com o que aconteceu naquela Casa.
“O que vimos, ontem na Câmara, foi uma fraude, uma farsa, que causou muita indignação. Fico aqui pensando como a maioria do povo brasileiro assistiu àquele espetáculo deprimente, desprezível. O que vimos ontem foi o rebaixamento da política, uma desqualificação” – afirmou a senadora. Disse que o PT  vai continuar lutando contra esse expediente aprovado pela Câmara, e à favor de Dilma Roussef.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

PARELHAS: "Possibilidade de Humberto Gondin não fazer aliança na proporcional, deixa oposição em polvorosa"

Parede que o freio que foi dado pelo pré-candidato a prefeito Dr. Tiago Almeida no "caminhão" da oposição, derrubou o ex vereador Humberto Gondin e seu grupo.
Segundo contam nos bastidores políticos, o ex vereador não vai aceitar fazer coligação na proporcional, ou seja na chapa de vereadores, poderá até se aliar na majoritária, mas deverá aliar-se apenas a três partidos na proporcional, que seriam: PP, partido do vereador João Dantas, PSB, comandado na cidade pelo seu fiel escudeiro e suplente de vereador José Gonzaga e o PSD, que é presidido pelo próprio Humberto.
A notícia dessa possível "estratégia", deixou o restante do grupo em polvorosa, tem gente querendo até desistir da pré-candidatura a vereador, por achar que sem Humberto na chapa, não teria nenhuma chance.

O Blog advertiu dias atrás, que seria muita imprudência subestimar o potencial eleitoral do ex vereador Humberto Alves Gondin. 
Embora Dr. Tiago tenha dito que Humberto continua sendo o maior líder político da "bandeira vermelha", a população fica sem entender, porque o MAIOR líder político foi praticamente expulso da majoritária.


TEMER COMEMORA DECISÃO DO STF

Por Josias de Souza
Dilma Rousseff e Michel Temer viveram na noite passada experiências antagônicas. Recolhida ao Palácio da Alvorada, a presidente assistiu, pela televisão, à sessão extraordinária em que o STF sepultou as ações do governo contra a votação do impeachment. “Se houver falta de votos, não há intervenção judicial que salve”, ironizou o ministro Gilmar Mendes a certa altura.
Os votos que escasseiam no cesto de Dilma cercavam o vice-presidente da República numa mansão no Lago Sul, bairro chique da Capital. Algo como 80 deputados apertavam a mão, abraçavam, trocavam um dedo de prosa com Temer. Muitos o chamavam de “presidente”. Usufruíram de um coquetel seguido de jantar. Tudo oferecido pelo deputado Heráclito Fortes (PSB-PI). Respirava-se no local doce fragrância da perspectiva de poder.
Pelo celular, a internet levava à mansão da filha de Heráclito, onde Temer se servia de risoto e vinho, as mesmas informações que a TV despejava sobre o tapete do Alvorada. O STF indeferiu um par de pedidos de liminares contra a ordem escolhida por Eduardo Cunha para que os deputados pronunciem seus votos no microfone.
No principal julgamento da noite, os ministros da Suprema Corte rejeitaram por 8 votos a 2 duas teses esgrimidas pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. Numa, ele alegava que a comissão do impeachment cerceou o direito de defesa de Dilma. Noutra, reclamava que o relator Jovair Arantes (PTB-GO) incluiu no seu relatório temas estranhos à denúncia original —Lava Jato e pedaladas praticadas antes do atual mandato presidencial, por exemplo.
Com esses dois argumentos, Cardozo pretendia anular a sessão que o presidente da Câmara marcou para domingo. Pedia que o STF determinasse o reinício do processo. Algo que daria tempo ao governo para tentar cooptar aliados que lhe permitam atingir a marca de 172 votos, mínimo necessário para brecar o impedimento da presidente.
O STF decidiu que, na hora de votar, os deputados terão de levar em conta apenas as duas acusações relacionadas ao atual mandato de Dilma: 1) a edição de decretos que autorizaram gastos sem a anuência do Legisaltivo. 2) empréstimos contraídos pelo governo em bancos oficiais as chamadas pedaladas fiscais.
Depois de circular de rodinha em rodinha, Temer acomodou-se numa das mesas. Dividiu-a com outras dez pessoas. Entre elas líderes de partidos engajados no impeachment. Nesse universo, as horas mais preciosas são as mais rápidas. Na contabilidade dos rivais de Dilma, já existem 363 votos a favor do impeachment, 21 além do mínimo necessário. Daí a incômoda sensação de que, para a oposição, certos dias, como os dois que faltam para o domingo da votação, têm 100 anos de duração.