.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

MANOBRA: "Deputados e Senadores querem usar emendas como cortina de fumaça"

Os deputados e senadores de todo o Brasil, começaram uma manobra para tentar se livrar do crivo do eleitor, nas próximas eleições.
De uma hora para outra, começaram a destinar emendas por cima de emendas, tentando comprar o silêncio dos gestores em relação a Reforma da Previdência.
O eleitor precisa está atento a tudo isso, e perceber que toda essa "súbita bondade", não passa de uma cortina de fumaça, apenas com o fim de lesar os eleitores mais desatentos.
A Deforma da Previdência não pode ser aprovada, caso contrário os mais pobres desse país pagará um alto preço por isso.
Fiscalize cada deputado e cada senador, fique de olho nele!

TEMER: "‘Votar contra a reforma é votar contra o governo"

Em reunião neste domingo (9) na residência oficial da Câmara dos Deputados, o presidente Michel Temer afirmou que já cedeu o suficiente na reforma da Previdência e disse que cobrará de aliados um voto favorável ao projeto, que tramita atualmente em uma comissão especial na Câmara.
Participaram do encontro, além de Temer, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e os ministros Raul Jungmann (Defesa), Mendonça Filho (Educação), Bruno Araújo (Cidades) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo).
Nas palavras de um dos participantes, Temer afirmou que “quem votar contra a reforma está votando contra o governo”, que na semana passada recuou em cinco pontos tidos como polêmicos: regra de transição para o novo sistema; regras para aposentadoria do trabalhador rural; regime especial para professores e policiais; benefícios de prestação continuada(BPC); e alguns tópicos relacionados a pensões, como a fixação de um teto para acúmulo desse benefício com a aposentadoria.
Com as concessões já feitas pelo governo, o governo deixará de economizar entre R$ 112 bilhões e R$ 160 bilhões nos próximos dez anos, segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.
Inicialmente, a expectativa era economizar entre R$ 750 bilhões e R$ 800 bilhões com a reforma. “O governo realmente ajustou a reforma da Previdência, agora não temos dúvidas de que ela será aprovada”, disse a fonte. “Atendemos a todos os pontos que estavam sendo contestados.”
Segundo essa fonte, haverá uma reunião na próxima terça-feira em Brasília entre todos os líderes partidários e ministros ligados a partidos. O objetivo do encontro é “identificar onde ainda há focos de resistência” ao projeto. O governo quer ter certeza de que tem os votos suficientes quando a PEC chegar ao plenário da Câmara.
O relator da reforma, deputado Arthur Maia (PPS-BA), promete entregar seu parecer no próximo dia 18, uma terça-feira. A previsão é que o relatório seja votado na comissão especial até o fim de abril.


Blog do BG


ECON: "Confira os especialista da semana de 10 á 15 de abril"


POLÍTICA: "PT de Parelhas elege a primeira mulher em sua história para presidir o partido"



O Partido dos Trabalhadores foi as urnas ontem em todo Brasil para eleger seus dirigentes no PED(Processo de Eleições Diretas).
Aqui em Parelhas não foi diferente, dos 113 filiados aptos a votar 62 foram as urnas e escolheram Gildete Maria da Silva, tendo com vice, o veterano petista, Ailton José dos Santos(Ailton do PT).
O  interessante no  PED deste ano, foi a presença de petistas históricos que haviam se afastado um pouco do dia a dia do partido, mas que ontem vieram votar, como Pedrinho do Povoado Joazeiro, Maria Margarida, da Comunidade Timbaúba e Geralda Esmeraldina também do Povoado Joazeiro.
O ex-prefeito Francisco Medeiros, também esteve presente e destacou a importância das eleições diretas dentro do partido.
"Isso só fortalece a democracia, o PT sempre escolhe seus dirigentes através do voto direto. Vim de Currais Novos votar na companheira Gildete e no companheiro Ailton, porque sei da capacidade dos dois para dirigir esse partido tão importante, na história de Parelhas e na história do Brasil". Frisou o ex-prefeito Francisco Medeiros.