.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

PARELHAS: "Declaraçôes do ex-vereador Marcos do PT, mexem com o cenário político.

Embora neguem; as declarações do ex-vereador Marcos Antônio do Nascimento, na última sexta-feira, deixou a base do prefeito Francisco em polvorosa.
Segundo Marcos do PT, o partido  não está satisfeito com a aliança PT/PMDB, o que, "cá prá nós", não é novidade prá ninguém.
Marcos, defendeu ainda nos microfones na Rádio Rural, que vai defender dentro do partido, candidatura própria a prefeitura da cidade e que para isso já está recolhendo assinaturas de outros filiados para dá seguimento ao processo.
"O PT deve ter sim uma postura independente. O PMDB, largou o partido e o governo a nível nacional, não existe mais condições e nem razões, para manutenção desta aliança aqui no município, aliança que já vem se desgastando a muito tempo". Defendeu o ex-vereador Marcos Antônio.
Segundo alguns petistas mais antigos, as declarações devem ser respeitadas, como uma opinião pessoal, mas que não muda em nada o cenário já existente e que o Diretório local vai emitir uma nota reafirmando a parceria entre os dois partidos.

QUANTO MAIS BATEM, MAIS CRESCE: "Lula lidera intenções de votos enquanto Aécio e demais tucanos caem"

Pesquisa divulgada pelo Datafolha no sábado (10) trouxe novo quadro sobre as intenções de votos para a corrida presidencial. De acordo com o instituto, estão à frente na disputa o ex-presidente Lula (PT) e a ex-senadora Marina Silva (Rede), ambos com 22% das intenções de voto quando o candidato tucano é o senador José Serra (PSDB-SP).
Tanto Serra quanto os outros dois “presidenciáveis” do PSDB (o senador Aécio Neves e o governador Geraldo Alckmin) aparecem com tendência de queda.
Serra, em fevereiro, tinha 15%. Em março, caiu para 13%. Agora, em levantamento realizado nos dias 7 e 8 de abril, chegou a 11%. Já Aécio Neves em fevereiro tinha 20%, oscilou para 14% em março e em abril atingiu 12% das intenções de voto. Em outro cenário, no qual o candidato do PSDB é o governador paulista Geraldo Alckmin, observa-se um encolhimento de cinco pontos percentuais no mesmo período.

E SE A PRESIDENTE DILMA CAIR...

Caso a presidenta Dilma seja afastada pelo impeachment no Congresso Nacional teremos que conviver com os seguintes fatos:
1- Temer do PMDB será o Presidente da Repúlica;
2- Ficará muito difícil cassar o presidente da Câmara dos Deputados;
3- Renan do PMDB continuará tranquilo na Presidência do Senado;
4- Será desencadeada Operação ‘Seca Jato’ para acabar com a Operação Lava Jato livrando deputados e empreiteiros envolvidos e investigados;
5- Aqui no RN o ex-deputado Henrique Alves com seu primo e senador Garibaldi Alves voltarão a mandar.
É isso que você quer?
Blog do Primo

Fama incomoda Moro, que perde apoio popular e é criticado por grampos de Lula

O papel central adquirido pelo juiz federal Sérgio Moro, ao conduzir a Operação Lava Jato, já tem desenlaces que não agradam setores da opinião pública, e nem mesmo o próprio magistrado. Em palestra na noite desta sexta-feira (8) em Chicago (EUA), Moro afirmou que a fama que adquiriu, por conta de suas decisões na operação, o incomoda.
“Acho que existe foco equivocado na minha pessoa, que não acho muito positivo. Há uma certa personificação”, disse o juiz, em evento que reuniu 300 estudantes nos EUA e foi organizada pela Associação de Estudantes Brasileiros (Brasa, na sigla em inglês). Além de falar sobre o rótulo de ‘herói nacional’ e defender as manifestações populares contrárias à corrupção, Moro também falou sobre o impacto político de seus atos.
Para o juiz, “é importante não confundir Justiça com política”, negando que episódios como a liberação dos grampos telefônicos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff (ambos do PT) tenham sido norteada por influências fora do âmbito jurídico e legal – sobre este fato específico, ele preferiu não tecer comentários além dos que já são conhecidos.

Zenaide Maia emite nota sobre manifestação em frente a sua residência

Um grupo de pessoas extremamente agressivas veio hoje à minha casa com trio elétrico gritando palavrões, insultando minha família e soltando fogos de artifício. Aparentemente partidários do Cunha e do Temer e com atitudes que lembram a era Hitler, falavam sobre o processo de impeachment.
Eu já informei através da imprensa, há alguns dias, que estou afastada de minhas atividades parlamentares devido a um sério problema de saúde do meu filho, que tem deficiência.
A ocorrência de hoje ultrapassou todos os limites. Na ocasião, cheguei a sair à rua para pedir que parassem ao menos os fogos de artifício porque estavam afetando o meu filho, que está em recuperação de uma grave crise, há mais de quinze dias, como divulguei. Além de não ter sido ouvida voltaram a me dirigir insultos ainda mais desrespeitosos, sobretudo para uma mulher e mãe de família.
Atos desta natureza que atentam contra os direitos individuais são inaceitáveis e não podem, nem de longe, ser confundidos com liberdade de expressão ou de opção política – institutos democráticos que respeito e pelos quais lutei ao longo da vida.
Repudio com veemência o ataque intimidatório, constrangedor e antidemocrático que eu e minha família sofremos.
Zenaide Maia
Deputada Federal

PESQUISA: "Para 40%, Lula é o maior presidente da história

Pesquisa Datafolha publicada no último sábado (9) com as intenções de voto para a disputa presidencial de 2018 ouviu os brasileiros também sobre o presidente de sua preferência em todos os tempos. O ex-presidente Lula aparece isolado na primeira colocação, com 40%.
O índice supera os 35% registrados em março, e mais próximo também aos 37% apurados na pesquisa feita em fevereiro último. O segundo colocado na pesquisa espontânea é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, com 14%.

REAÇÃO: "3 em cada 4 brasileiros querem que Cunha seja cassado"

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha aponta que três em cada quatro brasileiros (77%) são favoráveis à cassação do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Apenas 11% dos entrevistados se disseram contrários à cassação.
O jornal Folha de S. Paulo destac que a taxa de apoio à cassação do peemedebista é maior entre os que têm renda familiar mensal de mais de cinco a dez salários mínimos (88%), entre os mais ricos (94%), entre os mais escolarizados (84%) e entre os homens (82%).
Sobre a possibilidade de Cunha renunciar, 73% dos entrevistados disseram que ele deveria deixar o cargo, 15% que ele deveria permanecer na função e 12% não opinaram.

BRASIL: "Menos brasileiros apoiam o fim de mandato de Dilma"

O percentual de pessoas que quer o impeachment da presidente Dilma caiu de 68%, em 17 e 18 de março, para 61% na última semana. O apoio à renúncia dela também diminuiu de 65% para 60% no período. Na mesma linha, a reprovação ao governo da petista retrocedeu no período.
Em abril, 69% dos brasileiros afirmavam que a gestão de Dilma é ruim ou péssima. Nesta semana, 63% compartilhavam de tal opinião.