.

sábado, 6 de outubro de 2018

O BRASIL JÁ VIU ESSE FILME: "Discurso de Bolsonaro é igual ao de Fernando Collor"

Na eleição de 1989, Collor destacou-se com o discurso contra a corrupção, vulgarizando o termo marajá, ao qual dizia que iria combater no mandato presidencial, além de prometer governar para os descamisados. Os marajás seriam funcionários públicos que acumulavam empregos e salários, no entanto, sem trabalhar. E os descamisados, aqueles que viviam abaixo da linha da pobreza. A disputa no segundo turno das eleições foi bastante acirrada, Collor recebeu 35 milhões de votos, e Lula 31,1 milhões. Collor assumiu a presidência do país em 15 de março de 1990.

Ironicamente, o governo que dizia ter por alvo o combate à corrupção, foi acusado de envolvido em diversos casos de desvio de dinheiro público. O caso PC Farias foi o mais destacado desses casos. O irmão de Fernando Collor, Pedro Collor denunciou esse esquema realizado entre o presidente e Paulo César Farias, tesoureiro da campanha de Collor à presidência. PC Farias recebia altas quantias de dinheiro de empresários que buscavam facilitação de recebimento de verbas públicas. Esses valores eram depositados em contas fantasmas para despesas de Fernando Collor e da família dele. Esse esquema foi denunciado em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), e confirmado pelo depoimento do ex-motorista particular de Collor, Francisco Eriberto Freire França.

Diante desses escândalos, a população manifestou-se nas ruas, destacando-se os caras-pintadas, jovens que pintavam o rosto de verde e amarelo. Essas manifestações pediam o impeachment da presidência de Collor. Em setembro de 1992, a maioria da Câmara dos Deputados votou favoravelmente ao pedido de impeachment redigido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI). Collor renunciou à presidência antes de ser efetivado o impeachment. No entanto, o Senado confirmou a cassação do mandato e perda dos direitos políticos de Collor por oito anos. Em 29 de dezembro de 1992, Collor foi definitivamente impedido de exercer o mandato. E foi sucedido pelo vice-presidente Itamar Franco, empossado em janeiro de 1993.

Fonte: "Blog do Jacó Costa

DO BLOG: "O Brasil já viu esse filme e todos sabem como acabou"





Pesquisa CNT/MDA confirma 2º turno entre Bolsonaro e Haddad

Pesquisa CNT/MDA divulgada neste sábado (6) aponta para o segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) contra Fernando Haddad (PT).

Na pesquisa estimulada, Bolsonaro tem 36,7%. Fernando Haddad aparece com 24%.

Ciro Gome está com 9,9%. Geraldo Alckmin, 5,8%.

João Amoêdo (Novo) com 2,3%, teria ultrapassado Marina Silva (Rede) com 2,2%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 4 e 5 de outubro de 2018. Foram ouvidas 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 Unidades Federativas, das cinco regiões do país. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), sob o número BR-04819/2018.


PESQUISA SETA/BLOG DO BG: "Bolsonaro tem 29%, Haddad 25% e Ciro 13%"

Pela primeira vez na disputa eleitoral no RN, o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, lidera as intenções de voto. Ele tem 29% das citações.
Fernando Haddad, do PT, caiu para o segundo lugar, com 25%.
Em todos os levantamentos, Bolsonaro foi o segundo colocado. Seu crescimento vem sendo registrado nacionalmente, mas, no RN, continuava em segundo lugar.
A tendência já havia sido registrada na última pesquisa SETA, de 29 de setembro e 1º de outubro, quando houve empate técnico, com Bolsonaro marcando 26%, contra 30% de Haddad.
Os números também são favoráveis a Ciro Gomes, que oscilou para cima, saindo de 11% para 13%.
Em pesquisas eleitorais, é considerado crescimento ou queda quando os números se dão para além da margem de erro. Quando se trata de variação dentro dela, há oscilação.
Já o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, manteve os 2% da pesquisa anterior. A candidata da Rede, Marina Silva, oscilou um ponto para baixo, e agora só tem 1%, mesmo percentual de Cabo Daciolo, Henrique Meirelles, Álvaro Dias e João Amoedo.
Votos nulos e em ninguém são 19% e 6% não souberam ou não quiseram responder.
A pesquisa foi realizada nos dias 3 e 4 de outubro. Foram 1.700 entrevistas nas regiões do Estado. O levantamento tem margem de erro de 2,4% e intervalo de confiança de 95%. A pesquisa foi registrada sob os protocolos BR-00101/2018 e RN-01594/2018.

Prefeito Odon Jr. leva multidão as ruas em apoio a Francisco do PT



As ruas de Currais Novos foram tomadas ontem(05), por populares que apoiam a candidatura de Francisco do PT a deputado estadual.

Atendendo ao pedido do prefeito Odon Jr., a população compareceu em peso na última movimentação política feita para mostrar apoio a Francisco.

"Ver o sentimento das pessoas de Currais Novos, de Parelhas, do Seridó e do Rio Grande do Norte em favor de nossa candidatura, não tem preço, vamos a luta, as urnas e a vitória se Deus quiser." Disse Francisco


BOLSONARO: "Todo mundo de boca fechada até as eleições, ok?"

Faltavam dez dias para o primeiro turno quando Jair Bolsonaro (PSL) disparou um recado duro à cúpula da sua campanha: “Fica todo mundo quieto até as eleições, tá ok?”. A mensagem, transmitida em áudio, evidencia seu incômodo com desavenças internas.
“Estou vendo fofoquinha para cá, fofoquinha para lá (…). Vê se consegue unir essa turma aí, porra. Quer se matar, se ferrar, vai para um canto, mas não fica atrapalhando.” Ele diz que as intrigas o prejudicam. “Tudo reflete contra mim.”
Bolsonaro direcionou a mensagem, inicialmente, a Gustavo Bebianno, presidente do PSL. “Faz um favor, junta essa galera aí num canto, todo mundo sai na porrada e fica quieto. Fica quieto todo mundo até as eleições”, pede no fim da gravação.
O líder das pesquisas decidiu impor limites não só aos aliados, mas também a si mesmo. Ele avisou que vai se abster de declarações polêmicas nos próximos dias. Depois de ser repreendido por ministros do STF, quer evitar questionamentos às urnas eletrônicas.
Blog do BG


Ministério Público Eleitoral representa 19 deputados estaduais por conduta vedada

Ministério Público Eleitoral representou contra 19 deputados estaduais do Rio Grande do Norte por condutava vedada. Em abril deste ano, a Assembleia Legislativa do RN (Alern) fez a doação de 50 viaturas policiais ao Governo do Estado, com recursos do próprio Legislativo. No entanto, o ato se transformou em promoção pessoal dos parlamentares, que puderam definir até mesmo para onde os veículos iriam, beneficiando seus redutos eleitorais e desequilibrando – com uso de dinheiro público – a campanha em relação aos adversários.
Constam como representados nas ações os deputados estaduais Ezequiel Ferreira de Souza (presidente da Assembleia), Albert Dickson, Carlos Augusto Maia, Cristiane Dantas, Dison Lisboa, Galeno Torquato, George Soares, Getúlio Rêgo, Gustavo Carvalho, Gustavo Fernandes, Hermano Morais, Jacó Jácome, José Dias, Larissa Rosado, Manoel Souza Neto, Márcia Maia, Nelter Queiroz, Tomba Farias e Vivaldo Costa.
“O que enseja a presente demanda não é a aquisição nem a doação das viaturas em si – formalmente lícitas e certamente bem-vindas ao Estado, mormente num momento de caos na segurança pública e no sistema penitenciário –, mas o uso promocional que se fez disso, quando da entrega de cada uma das viaturas, em prol das candidaturas de quase todos os deputados estaduais da Alern. Esse uso promocional sempre esteve embutido nessa doação”, resume a representação do MP Eleitoral.
Com a prática, no entender do MP os parlamentares “largaram na frente na corrida eleitoral de 2018”, pois os demais concorrentes não puderam dispor de dinheiro público para “presentear” a população. Ao todo, foram gastos aproximadamente R$ 5 milhões.
Interesse público – Ao “carimbar” a destinação das viaturas para seus redutos eleitorais, os deputados – além de fazerem uso promocional da doação – impediram que as autoridades de segurança pudessem utilizá-las conforme a necessidade, levando em conta argumentos técnicos e não políticos, escolhendo por exemplo as áreas de maior incidência de crimes, ou os serviços que mais demandavam tais veículos. Alguns parlamentares, inclusive, afirmaram ter tomado suas decisões com base no pedido de prefeitos.
“Assim, o interesse público, mais uma vez, deu lugar às intenções eleitorais implícitas daqueles que deveriam ser os representantes do povo”, reforça o MP Eleitoral. De acordo com a representação, a atitude dos parlamentares configurou a conduta vedada prevista no art. 73, IV, da Lei nº 9.504/97 (a Lei das Eleições), que proíbe aos agentes públicos fazer uso promocional da distribuição gratuita de “bens e serviços de caráter social custeados ou subvencionados pelo Poder Público”.
Propaganda
O uso “eleitoreiro” das doações se deu, em geral, tanto no momento da entrega, quanto posteriormente, através de fotos, vídeos e mensagens (em redes sociais, páginas pessoais e blogs de internet e até na propaganda de rádio e TV), que atribuíam a cada parlamentar a paternidade da benesse. Em uma das representações, o MP Eleitoral aponta que é “indisfarçável o desejo (do deputado) de gerar na população a crença de que o ato partiu não só da sua iniciativa, como também dos seus esforços e sacrifício, com nítido propósito de explorar eleitoralmente os dividendos que certamente adviriam dessa distribuição gratuita do bem em ano de eleições”.
Blog do Primo


VÍDEO: "Atriz acariense Titina Medeiros apoia e pede votos para Francisco do PT". Confira!

Pesquisa também aponta vitória de Fernando Haddad no RN

Foi divulgada ontem a pesquisa Opine/Band que apontou liderança do candidato do PT a presidente da República Fernando Haddad no Rio Grande do Norte.
Ele tem 35,7% contra 20,6% de Jair Bolsonaro (PSL) que em nível nacional lidera todas as pesquisas. O cenário de vantagem a favor do petista se repete na pesquisa espontânea que não apresenta lista de candidatos aos entrevistados: 32,8% x 20,2%.
Já no item rejeição, Bolsonaro tem 46,3% e Haddad 20,4%.
A pesquisa Opine/Band foi realizada entre os dias  30 de setembro e 3 de outubro ouvindo 1.200 eleitores em  58 municípios em 10 pólos regionais do Rio Grande do Norte. A margem de erro é de 2,9 pontos percentuais para mais ou para menos com intervalo de confiança de 95%. A sondagem foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral, sob os protocolos BR-05479/2018 e RN-02315/2018.
Pesquisa estimulada
Fernando Haddad – PT 35,7%
Jair Bolsonaro – PSL 20,6%
Ciro Gomes – PDT 12,3%
Geraldo Alckmin – PSDB 2,8%
Marina Silva – REDE 1,8%
João Amôedo – NOVO 0,9%
Cabo Daciolo – PATRI 0,8%
Álvaro Dias – PODE 0,2%
Henrique Meirelles – MDB 0,2%
Eymael – DC 0,1%
Guilherme Boulos – PSOL 0,1%
João Goulart Filho – PPL 0,0
Vera – PSTU 0,0
Indecisos/NS 12,3%
Nenhum 12,5%

Blog do Barreto


PESQUISA OPINE/BAND: "Faltando 1 dia para eleição Fátima Bezerra abre 14% de vantagem para o segundo colocado"


Com 37,1% de intenções de voto a senadora Fátima Bezerra (PT) seria a candidata mais votada ao Governo do Rio Grande do Norte segundo o Instituto Opine em pesquisa encomendada pela Band Natal. O segundo colocado é o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) com 23,3%.
A pesquisa Opine/Band foi realizada entre os dias  30 de setembro e 3 de outubro ouvindo 1.200 eleitores em  58 municípios em 10 pólos regionais do Rio Grande do Norte. A margem de erro é de 2,9 pontos percentuais para mais ou para menos com intervalo de confiança de 95%. A sondagem foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral, sob os protocolos BR-05479/2018 e RN-02315/2018.
Confira os números
Pesquisa estimulada
Fatima Bezerra – PT 37,1%
Carlos Eduardo – PDT 23,3%
Robinson Faria – PSD 10,1%
Brenno Queiroga – SOLIDARIEDADE 1,3%
Prof. Carlos Alberto – PSOL 0,9%
Heró Bezerra – PRTB 0,5%
Dário Barbosa – PSTU 0,2%
Freitas – REDE 0,1%
Indeciso/NS 11,5%
Nenhum 15,1%
Pesquisa espontânea
Fatima Bezerra – PT 31,4%
Carlos Eduardo – PDT 19,9%
Robinson Faria – PSD 7,4%
Brenno Queiroga – SOLIDARIEDADE 1,3%
Prof. Carlos Alberto – PSOL 0,8%
Heró Bezerra – PRTB 0,4%
Dário Barbosa – PSTU 0,2%
Indeciso/NS 23,6%
Nenhum 14,9%
Blog do Barreto