.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

DESTAQUE: "Em 2017 Fátima Bezerra foi agraciada com prêmios e honrarias pela atuação no Senado Federal"

Em 2017, a senadora Fátima Bezerra foi agraciada com prêmios e honrarias pela sua atuação no Congresso Nacional.

DIAP - Cabeças do Congresso

A senadora Fátima Bezerra apareceu pela terceira vez consecutiva entre os mais influentes no levantamento anual realizado pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Os ‘Cabeças’ do Congresso Nacional são, na definição do DIAP, aqueles parlamentares que “conseguem se diferenciar dos demais pelo exercício de todas ou algumas das qualidades e habilidades descritas na publicação”.

Entre os 10 melhores senadores - Congresso em Foco

A senadora Fátima Bezerra ficou entre os 10 melhores senadores de 2017, em votação realizada pelo site Congresso em Foco. 

A luta em defesa da educação, da geração de emprego e renda, dos direitos sociais e da democracia continuará dando o tom do seu mandato em 2018.

Prêmio Direitos Humanos

XXI Prêmio Estadual de Direitos Humanos Emmanuel Bezerra dos Santos, concedido pelo Centro de Defesa Direitos Humanos e Memória Popular, em reconhecimento ao trabalho do mandato da senadora Fátima em defesa dos direitos dos cidadãos brasileiros no Senado Federal.




BOLSONARO É CONTRA A INTERVENÇÃO: “O problema da segurança no Rio não vai ser resolvido por decreto presidencial, assinando um papel”.

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse nesta sexta-feira (16) que o modelo de intervenção federal determinada por Michel Temer na segurança pública do Rio de Janeiro, formalizada em decreto no início da tarde, se presta a “servir esse bando de vagabundos” – ou seja, aos membros do governo. 
Pré-candidato à Presidência da República, o parlamentar reclamou do fato que a decisão foi tomada “dentro de um gabinete” e não consultou as Forças Armadas.
“É uma intervenção decidida dentro de um gabinete, sem discussão com as Forças Armadas. Nosso lado não está satisfeito. Estamos aqui para servir à pátria, não para servir esse bando de vagabundos”, disse o deputado ao site O Antagonista.
Espécie de porta-voz de militares radiciais na Câmara e defensor do regime militar, Bolsonaro também se queixou da autorização para que os militares, que se instalarão em pontos de estratégicos do Rio de Janeiro por tempo indeterminado, atuem sem que lhes seja garantido o “excludente de ilicitude” – uma salvaguarda jurídica que garante a membros das Forças Armadas a inimputabilidade em caso de mortes por eles provocadas em combate.
“No Haiti, você podia atirar. Aqui como vai ser?”, indagou.
“Todo mundo diz que estamos em guerra. O Rio está em guerra. Mas que guerra é essa que só um lado pode atirar?" Qualquer um do lado de cá, que tome uma medida de força, vai ter problemas depois na Justiça. 
Seja o policial militar, o civil ou o rodoviário federal”, acrescentou o presidenciável, para quem “o problema da segurança no Rio não vai ser resolvido por decreto presidencial, assinando um papel”.

FONTE: Congresso em Foco

INTERVENÇÃO: "Com 340 votos a favor, 72 contra e 1 abstenção Câmara aprova decreto"

A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta terça-feira, 20, o decreto que autoriza a intervenção federal na Segurança Pública do Rio. A matéria segue agora para o Senado, que deve apreciá-la ainda nesta terça.
Esta é primeira vez que o Congresso analisa uma matéria como essa desde a vigência da Constituição de 1988. O texto foi aprovado por 340 votos a favor, 72 contra e 1 abstenção.
Por se tratar de um decreto presidencial, a intervenção já está em vigência. Coube ao plenário apenas dizer se aceitava ou revogava a decisão tomada pelo governo, sem ter o direito de fazer modificações no mérito da proposta.