.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

PARELHAS: "Nota de esclarecimento!"

Quem entrou em contato com o Blog na manhã desta quinta-feira, foi o Fisioterapeuta Dr. Allyson Wagner.
Dr. Allyson, explicou que não é filiado ao PSB(Partido Social Brasileiro), como foi noticiado pelo Blog, e sim ao PSD(Partido Social Democrático).
Portanto o Blog esclarece que, Dr. Allyson Wagner é sim pré-candidato a vereador nas eleições de outubro e que continua firme e forte na disputa por uma cadeira no Poder Legislativo, inclusive já confidenciou ao Blog o número que irá usar na campanha, que não iremos divulgar por não estarmos ainda  no período eleitoral.

Do Blog: "Quero aqui me desculpar com o meu amigo Dr. Allyson, pelo equívoco, e dizer que esse espaço está aberto para o mesmo, como para qualquer outro cidadão,  que necessitar fazer esclarecimentos ou até mesmo  dirigir aos internautas propostas e projetos visando o bem comum do povo parelhense."


BLOG INFORMA: "Atenção senhores pré-candidatos a solução de sua campanha está na Gráfica Vilar"


ECON: "Especialistas de hoje(11), Drº Marcelo(Clínico Geral) e Drª Elvira(Ginecologista). Confira!"


PARELHAS: "PSB, partido comandado pela oposição teve seu diretório suspenso e não poderá apresentar candidatos na eleição deste ano"

Segundo o TRE-RN, o PSB(Partido Social Brasileiro), comandado pela oposição parelhense, não poderá apresentar candidatos na eleição deste ano por não ter informado o número do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) de seus órgãos de direção municipais/comissão provisória, sob pena de terem inviabilizada sua participação nas eleições de outubro e, consequentemente, não poderem lançar candidatos ao pleito deste ano. Por serem considerados pessoas jurídicas de direito privado, os partidos políticos, à semelhança das empresas, devem possuir um número no CNPJ para atestarem a sua vigência, ou seja, a sua existência jurídica.
Se o Blog não tiver enganado, o PSB de Parelhas apresentou dois nomes para a disputa de uma cadeira no Poder Legislativo, que seriam, o suplente de vereador José Gonzaga e o fisioterapeuta Dr.º Allyson Wagner, com essa decisão supõe-se que, os dois não poderão entrar na disputa.

Lula pede união do PT para reconstruir partido pós-impeachment

Diante de divisões internas e do desgaste entre parlamentares e dirigentes do PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu nesta quarta-feira (10) “união” aos petistas para traçar uma estratégia de mobilização e reconstruir o partido após o impeachment de Dilma Rousseff.
Segundo a reportagem apurou, em reunião com as bancadas do PT na Câmara e no Senado em Brasília, Lula adotou suas usuais metáforas de futebol para dizer que a legenda não pode ser um time em que cada jogador acha que vai resolver a partida sozinho.
Para o ex-presidente é importante a união do partido e das bancadas para que o PT consiga “sair dessa” o quanto antes.
Participantes da reunião relataram que Lula destacou a necessidade de pensar uma “estratégia comum de mobilização” mas nada ficou definido na reunião desta quarta.

O ex-presidente também pediu que os parlamentares façam a defesa mais assertiva do partido e que haja “sintonia” entre a direção do PT e as bancadas no Congresso.
Nos últimos dias, senadores petistas se irritaram com a postura do presidente da sigla, Rui Falcão, que divulgou posição contrária ao plebiscito para novas eleições que seria uma das principais bandeiras da carta que Dilma prepara para divulgar aos senadores e à população do país.
Os parlamentares defendiam a ideia junto a senadores que se diziam indecisos e avaliaram que Falcão colocou uma “pá de cal” na “única ideia” em que a presidente afastada ainda poderia se apoiar para tentar voltar ao Planalto.
Com a voz bastante rouca, Lula falou por cerca de 40 minutos diante de quase 50 parlamentares após discursos de Falcão e dos líderes do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), e no Senado, Humberto Costa (PE).
O presidente do PT não falou de impeachment e preferiu focar sua exposição nas eleições municipais deste ano, dando informes sobre as disputas regionais. Florence falou sobre a agenda do partido na Câmara, enquanto Costa fez uma avaliação do quadro de Dilma no Senado.
Nesta terça (9), a petista virou ré no processo de seu afastamento por 59 votos a 21. O senador afirmou que o cenário foi o “esperado” e que é preciso trabalhar para tentar convencer outros sete senadores a votar a favor de Dilma no julgamento final, marcado para o fim do mês.
Ela precisa de pelo menos 28 votos para não ser afastada definitivamente, mas mesmo os petistas avaliam que tentar reverter o placar será uma “luta inglória”.




Justiça pode proibir pastores de pedirem dinheiro na TV

Edir Macedo, Silas Malafaia, Valdemiro Santiago e companhia podem perder a principal fonte de renda de suas igrejas evangélicas: a televisão. De acordo com uma reportagem assinada pelo jornalista Daniel Castro, do ‘Notícias da TV’, o procurador da República Sérgio Suiama decidiu abrir uma investigação sobre os horários que são alugados em redes abertas de televisão, especialmente na cidade de São Paulo, como a TV Record, Bandeirantes, TV Gazeta e RedeTV!. O Ministério Público Federal quer saber agora como funciona a compra desses espaços, se como programação nos canais ou pura publicidade. A investigação acontece depois que a Agência Nacional de Cinema, a Ancine, disse que os cultos religiosos ocupam mais tempo que os telejornais.
O inquérito é baseado na própria Constituição brasileira, que proíbe que horários sejam alugados, entendendo que a concessão de televisão é um serviço público. Na pior das hipóteses, a investigação pode fazer com que os pastores percam esses espaços na TV e sejam proibidos de pedir a tão necessária oferta para a sobrevivência da igreja. Além disso, a lei também garante que as emissoras de TV aberta não pode ficar mais de 25% de seu tempo total fazendo publicidade.
Oficialmente, nenhuma das emissoras citadas confessa que vendem seus horários para as igrejas. Elas chama esses espaços de “coproduções”. Dessa forma, elas tentam se manter na legalidade. Mas na prática não é bem uma coprodução que vai ao ar. A própria Globo, por exemplo, exibe um único programa religioso, a ‘Santa Missa’ aos domingos. A atração é a mais antiga do canal e ao longo dos anos foi colocada cada vez mais cedo.
No entanto, além de esconder a missa na programação, a Globo realmente transmite o evento ao vivo com sua equipe. E não recebe nada por isso. Pelo contrário, oferece à igreja católica espaço para anunciar publicidade religiosa, como eventos importantes da igreja.O fato de religiões abarcarem as programações dos canais abertos e fechados acaba prejudicando o próprio telespectador.

Rodrigo Maia marca votação de cassação de Cunha para 12 de setembro

Mesmo com a pressão de adversários, a votação do processo de cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ficará para setembro, depois da votação final do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Por meio de sua assessoria, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou que marcou para o dia 12 de setembro a votação do processo contra Cunha no plenário da Casa.
São necessários 257 votos entre os 512 deputados em exercício para determinar a perda do mandato de um parlamentar.
Desde o início da semana havia expectativa com a definição da data de votação do processo. Na segunda-feira, após pressão de deputados do PSOL, Rede, PT, PCdoB, PDT e PPS, Maia disse que marcaria a data nesta quarta-feira (10), após reunir-se com líderes partidários.
Os deputados queriam que a votação ocorresse na próxima semana. Já os aliados de Cunha defendiam uma data mais alongada, chegando mesmo a apontar como momento mais adequado depois das eleições municipais de outubro.
Com a decisão de Maia, prevaleceu a defesa da base governista do presidente interino Michel Temer, que queria que a decisão sobre o futuro de Cunha, ex-presidente da Câmara, ocorresse depois da conclusão do processo deimpeachment de Dilma Rousseff, previsto para o dia 26.
"Isso leva à conclusão de que o Planalto e uma parte da Câmara têm medo de Cunha. É um misto de covardia e conivência. Parecem temer o que ele pode vir a delatar após a sua cassação" , disse Alessandro Molon (Rede-RJ). A Rede foi, junto com o PSOL, um dos partidos que representaram contra Cunha no Conselho de Ética.
Histórico
O processo ficou pronto para decisão antes do recesso de julho. A leitura do parecer emitido e aprovado pelo Conselho de Ética, por 11 votos a favor e 9 contra, foi feita na segunda-feira (8), dando ao caso preferência sobre as demais matérias, mas sem impedir que outros temas sejam analisados.
Cunha é acusado de mentir ao depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, em maio de 2015, sobre a existência de contas bancárias de sua propriedade no exterior. Parlamentares que têm acompanhado o andamento do processo, desde que a representação contra o peeemedebista foi apresentada, em outubro do ano passado, apostam que a votação do processo em plenário deve ocorrer no dia 30 de agosto.

Deputadas pedem abertura de processo contra Marco Feliciano

A líder da minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (PCdoB), e parlamentares da bancada feminina apresentaram hoje (10) uma representação contra o deputado Marco Feliciano (PSC-SP). O documento, com 22 assinaturas, pede que seja aberto um processo no Conselho de Ética para apurar as denúncias de uma estudante que disse ter sido vítima de tentativa de estupro pelo parlamentar.
“As denúncias são muitas e muito graves e queremos que a Câmara apure. Não estamos prejulgando ninguém, mas a omissão da Casa não é aceitável”, afirmou Jandira. Ela, por mais de uma vez, lembrou que a medida é apartidária e alertou que não deve abrir brechas para uma “culpabilização” antes que os fatos sejam esclarecidos. “Esperamos uma apuração isenta, que se apure tudo e, se houver comprovação, que se tome as providencias necessárias”, disse.