.

domingo, 27 de novembro de 2016

DESTAQUE: "Ortopedista Dr. Tiago Almeida prestigia jantar de Santa Luzia na Comunidade Tuiuiú"

Quem prestigiou o grande jantar da festa de Santa Luzia, da Comunidade Tuiuiú, município de Santana do Seridó, foi o médico ortopedista Drº Tiago Almeida.
Dr. Tiago esteve acompanhado de amigos, entre eles o empresário Ricardo de Zeca.

CORRUPÇÃO: "A Lava Jato chega ao PSDB"


As delações da Odebrecht atingiram em cheio o PSDB. Em reportagem na edição desta semana, já nas bancas, VEJA revela como despesas da campanha de José Serra à Presidência em 2010, como o jatinho que ele usou para viajar pelo país, foram bancadas com dinheiro sujo da Odebrecht.
Os recursos foram depositados na Suíça em contas pessoais de um aliado do tucano, o ex-banqueiro Ronaldo Cezar Coelho. O texto também põe fim a um mistério: três fontes confirmaram à revista que o codinome “santo” que aparece em planilhas da empreiteira refere-se ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) — nenhum deles, no entanto, disse ter negociado diretamente com o paulista.
Na manhã deste sábado, a assessoria de imprensa de José Serra enviou a seguinte nota: “Todas as campanhas de José Serra foram conduzidas na forma da lei, com as finanças sob responsabilidade do partido. Serra não cometeu irregularidades e espera o pleno esclarecimento dos fatos pelas autoridades competentes.
A assessoria de imprensa do governador Geraldo Alckmin afirmou que todas as contribuições recebidas em campanhas eleitorais foram devidamente contabilizadas e informadas à Justiça Eleitoral. O texto ressalta que o governador nunca participou de negociações de supostos pedidos de pagamentos ilícitos. Alckmin afirma ainda, através de sua assessoria, que é favorável à aplicação do instituto da delação premiada.

CUBA: "Repercute no mundo todo, a morte do líder cubano, Fidel Castro."

Continua repercutindo no mundo todo, a morte do ex-presidente de Cuba, Fidel Castro. Ele morreu aos 90 anos de idade, informou neste sábado, seu irmão, o atual presidente, Raúl Castro em pronunciamento pela TV estatal. Fidel, foi o único líder latino americano que resistiu e nunca se dobrou ao imperialismo norte-americano, impedindo sempre, a exploração econômica do seu País, pelos Estados Unidos.
O líder deixou frases históricas, que permanecerão gravadas, como: “Hoje milhões de crianças dormirão na rua, nenhuma delas é cubana.”  O comandante da Revolução Cubana, morreu na noite de sexta-feira (25), às 22h29 (hora local), e seu corpo foi cremado, como era seu desejo, na manhã deste sábado. Fidel Castro, logo após a revolução, acabou com o analfabetismo em Cuba, dando um exemplo para o mundo.
Ele ainda priorizou e estatizou os serviços de saúde, investindo nesse setor e dando acesso a todos, principalmente aos mais pobres a um atendimento público de qualidade, na área de saúde. Recentemente o governo de Cuba, através do programa Mais Médicos, enviou 10 mil médicos para o Brasil, atendendo um apelo do governo da presidente Dilma Roussef.
A capital, Havana, homenageou o histórico dirigente. com um ato multitudinário na Praça da Revolução, coração político de Cuba, onde Fidel fazia seus famosos discursos. No dia seguinte, começou uma peregrinação com as cinzas entre 30 de novembro e 3 de dezembro, que percorrerá 13 das 15 províncias da ilha. As cinzas ficarão expostas no memorial José Marti, na praça da revolução em Havana.
Deixou frases que marcaram: “Ele (Jesus Cristo) foi o primeiro comunista. Repartiu o pão, repartiu os peixes e transformou a água em vinho.” Os restos mortais do líder viajarão na estrada, no sentido contrário ao da “Caravana da Liberdade”, a mesma que levou um Fidel triunfante, de Santiago de Cuba até Havana em 1959, quando depôs a ditadura de Fulgencio Batista.

PODER: "Michel Temer anuncia acordo com Congresso para impedir anistia a caixa 2"

Acompanhado dos presidentes das duas casas legislativas, o presidente Michel Temer disse, em coletiva de imprensa convocada para este domingo (27), que foi feito um acordo institucional entre Executivo e Legislativo para garantir que não prosperará qualquer tentativa de anistiar crimes de caixa 2.
“Estamos aqui para revelar que, no tocante da anistia, há uma unanimidade dos dirigentes do Poder Executivo e do Poder Legislativo. Verificamos que é preciso se atender à voz das ruas, o que significa reproduzirmos um dispositivo constitucional que diz: o poder não é nosso; não é nem do presidente da República nem do Senado nem da Câmara. É do povo. Quando o povo manifesta a urgência, ela há de ser tomada pelo Poder Legislativo e igualmente pelo Executivo”, disse Temer ao abrir a coletiva de imprensa no Palácio do Planalto.
Segundo ele, esse “ajustamento institucional” foi feito com vistas a “impedir a tramitação de qualquer proposta” que vise a chamada anistia. 
“Até porque essa questão da anistia, em um dado momento, viria à Presidência da República, a quem caberia vetar ou não vetar”, acrescentou.