.

sábado, 2 de junho de 2018

SANTANA DO SERIDÓ: "Quase tudo pronto para a maior festa junina do interior do estado"

             Fotos: Neto Valentim
Quem passa pela pequena e simpática Santana do Seridó, já percebe a alegria estampada do rosto dos santanenses que se preparam para viver o 22º Santo Antônio do Povo, que terá início no próximo dia 05 de junho.

A cidade já se prepara para receber milhares de pessoas que vem de toda parte do Rio Grande do Norte e Paraíba pra curtir aquela que já é maior festa junina do interior do estado.

Confira a programação:


Dr. Tiago Almeida participa de evento político em São José do Campestre

Na noite de ontem, 01 de junho, o médico Ortopedista Tiago Almeida esteve em São José do Campestre.

Na ocasião participou do último comício de  Nenem Borges e Eribaldo, a convite do vereador Wilson bolinha. 

Eles disputam as eleições suplementares em São José do Campestre, a 97 quilômetros de Natal, pela coligação “Unidos com o Povo”.

De acordo com Dr. Tiago Almeida o evento contou com a participação ativa do povo. “Estou admirado com a grande expressão de apoio do povo.  Uma multidão veio às ruas, dançou, cantou e mostrou aprovação aos candidatos” finalizou 

Neste domingo  3 de junho, os eleitores de São José do Campestre vão às urnas escolher um novo prefeito e vice-prefeito para a cidade.


CONDENADO: "Justiça condena Henrique Alves a 8 anos de prisão por fraudes no FGTS"

A Justiça Federal do Distrito Federal condenou nesta sexta-feira, 1º de junho, o ex-presidente da Câmara dos Deputados, ex-deputado e ex-ministro, Henrique Eduardo Alves, a 8 anos de prisão, em regime fechado, em processo derivado da Operação Sépsis, que investiga desvios no Fundo de Investimento do FGTS. Ele cumpre prisão domiciliar em Natal.
A sentença também condenou o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, a 24 anos e 10 meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, em processo derivado da Operação Sépsis, que investiga desvios no Fundo de Investimento do FGTS. Cunha já está preso em Curitiba (PR) desde outubro de 2016. Cunha já está preso em Curitiba (PR) desde outubro de 2016.
A sentença foi determinada pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do DF, que condenou Cunha por corrupção, violação de sigilo e lavagem de dinheiro. O ex-deputado também foi condenado pelo juiz Sergio Moro em 2017 a 15 anos e 4 meses de prisão na Operação Lava Jato.
A Justiça ainda fixou multas de R$ 7 milhões para Cunha e R$ 1 milhão para Henrique Alves. O Ministério Público Federal (MPF) havia pedido 386 anos de prisão a Cunha e 78 anos a Alves.
Na sentença desta sexta, Vallisney também nega a Cunha o pedido de revogação de sua prisão, para “preservar não apenas a ordem pública e a aplicação da lei penal, mas também a ordem econômica”, apontando que o réu tem controle de eventual conta no exterior, havendo o risco de movimentação dos valores, conseguidos de forma ilícita.
O corretor Lúcio Funaro também também foram condenados, ambos a mais de oito anos em regime inicialmente fechado. Funaro, no entanto, por ser delator, tem benefícios e deve continuar na prisão domiciliar.
O ex-vice-presidente da Caixa, Fabio Cleto, também é condenado no processo a 9 anos e 8 meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, mas no seu caso também prevalecem os termos da colaboração premiada. Outro condenado beneficiado pela delação é Alexandre Margotto, ex-auxiliar de Funaro.
Sépsis foi deflagrada pela Polícia Federal e pela Procuradoria-geral da República em julho de 2016. A ação teve como base a delação premiada de Cleto e dos executivos da Carioca Engenharia que detalharam como o grupo político de Cunha e Alves se valiam da nomeação de diretores na Caixa para cobrar propina de empresas interessadas em aportes do FI-FGTS.
A defesa de Henrique Alves informou que vai recorrer da decisão. Os advogados acrescentam que o cliente é inocente.


Petrobras aumenta preço da gasolina em 2,25% nas refinarias

A Petrobras aumentou hoje (2) em 2,25% o preço da gasolina em suas refinarias. De ontem para hoje, o litro do combustível ficou 4 centavos mais caro, ao passar de R$ 1,9671 para R$ 2,0113, de acordo com a estatal.

Em um mês, o combustível acumula alta de preço de 11,29%, ou seja, de 20 centavos por litro, já que em 1º de maio, o combustível era negociado nas refinarias a R$ 1,8072.

O preço do diesel, que recuou 30 centavos desde o dia 23 de maio, no ápice da greve dos caminhoneiros, será mantido em R$ 2,0316 por 60 dias.