.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

PARELHAS: "Começa hoje o o primeiro período do legislativo na Câmara Municipal"

Começa hoje o primeiro período do legislativo 2017.
Á partir das 15h, as sessões da câmara municipal terão início, transmitidas pela Rádio Rual AM Parelhas e pela internet.
A nova legislatura inicia seus trabalhos, com cinco novos parlamentares, uma renovação de quase 50%.
Os novos eleitos terão a missão de levar ao executivo municipal as demandas do povo parelhense e fiscalizar o dinheiro público.
Caberá a Netinho Senador, Humberto Gondin, Itayguara Glaube, Rogéria Dantas e Allyson Wagner um importante papel, no que diz respeito a renovação dos nobres pares.
Também estão com eles, a missão de fazer diferente e juntos com os veteranos, que conseguiram a reeleição, lutar por uma Parelhas cada vez melhor.
Que comecem as sessões, e com elas, os debates.


KENNEDY ALENCAR: "Blindagem a Moreira custará caro à imagem do STF"

O jornalista Kennedy Alencar criticou nesta quarta-feira, 15, que a decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, que manteve o ministro Moreira Franco na Secretaria-Geral da Presidência e com foro privilegiado.
“Levando em conta a decisão de Celso de Mello, fica nítido o uso no STF de dois pesos e duas medidas nas avaliações dos casos do ministro Moreira Franco e do ex-presidente Lula. Na situação do petista, houve o peso político de um diálogo entre o ex-presidente e a então presidente, Dilma Rousseff, que foi divulgado ilegalmente pelo juiz federal Sérgio Moro, como registrou o ministro Teori Zavascki”, afirmou.

Roberto Flávio


PODER: "Réus, investigados, delatados e até condenado escolhem o novo ministro do STF"

Sem qualquer constrangimento, senadores sob suspeita escolherão na próxima semana o novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Na prática, parlamentares com problemas na Justiça ou ameaçados pela Operação Lava Jato terão o privilégio de definir o próprio juiz. Mais da metade do Senado que votará em plenário a indicação de Alexandre de Moraes está na mira da mais alta corte do país. Pelo menos 44 dos 81 integrantes da Casa respondem a acusações criminais no próprio Supremo ou enfrentam a desconfortável situação de figurar nas delações ou planilhas da Odebrecht – e, por isso, estão a um passo de terem de se explicar à Justiça.
Levantamento do Congresso em Foco revela que pelo menos 34 senadores são alvos de inquérito (investigações preliminares) ou ação penal (processos que podem resultar em condenação) por diversos crimes, como corrupção, lavagem de dinheiro, contra a Lei de Licitações e o meio ambiente. Oito já são réus. Um deles já poderia estar na cadeia. Condenado pelo próprio Supremo a quase cinco anos de prisão, em agosto de 2013, por fraude contra a Lei de Licitações, Ivo Cassol (PP-RO) continua em liberdade e no exercício do mandato, participando de algumas das principais decisões do país. Desde dezembro de 2014 o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pede o início do cumprimento da pena. O senador está pendurado em um recurso cujo julgamento poderá ser definido pelo próprio Alexandre de Moraes.
Também vão participar da escolha do novo ministro 13 senadores investigados na Operação Lava Jato. Na última terça-feira (14), Moraes se reuniu com a bancada do PMDB em busca de votos. Foi recebido pelo novo líder, Renan Calheiros (AL), que acaba de deixar a presidência da Casa carregando uma dezena de inquéritos da Lava Jato, apontado como beneficiário do esquema de corrupção em estatais. No mesmo dia, o candidato também se encontrou com o senador Fernando Collor (PTC-AL), outro denunciado na operação.

Congresso em Foco


POLÍTICA: "Lula reitera ao STF que impedir sua nomeação à Casa Civil foi “erro histórico”

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reiterou hoje (14) ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido para que a Corte revise decisão proferida pelo ministro Gilmar Mendes que impediu, no ano passado, Lula de assumir a Casa Civil no governo da ex-presidenta Dilma Rousseff. Os advogados classificam a decisão como “erro histórico”.
A nova petição, encaminhada ao Supremo nesta terça, foi motivada pela decisão do ministro Celso de Mello, que manteve a nomeação de Moreira Franco para a Secretaria-Geral da Presidência da República, órgão que tem status de ministério e garante foro privilegiado ao titular.