.

terça-feira, 19 de abril de 2016

CORRUPÇÃO: "Marido de deputada que votou pelo impeachment foi preso pela PF"

O prefeito de Montes Claros, em Minas Gerais, Ruy Adriano Borges Muniz (PSB) e a secretária de saúde do município, Ana Paula Nascimento, foram presos preventivamente pela Polícia Federal na manhã desta segunda-feira (18). A operação Máscara da Sanidade II – Sabotadores da Saúde investiga fraudes para favorecer hospitais privados ligados ao prefeito da cidade. Segundo o Estado de S. Paulo, a prisão aconteceu um dia depois de o político ter sido elogiado por sua mulher, a deputada Raquel Muniz (PSB), ao proferir seu voto pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.
“Meu voto é pra dizer que o Brasil tem jeito, o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós com sua gestão”, disse a deputada na votação ocorrida neste domingo (17).   Segundo a PF, somente em outubro de 2015, o grupo de Muniz retirou cerca de 26 mil consultas especializadas e 11 mil exames dos hospitais públicos municipais.

DO BLOG: "Prova mais do que concreta que o impeachment não é por causa da corrupção".

PARAÍBA: "Homem tem dedos decepados ao soltar bomba em comemoração a votação da Câmara"

Um homem identificado como Edmílson, teve parte de sua mão esquerda decepada por uma bomba na noite deste domingo (17) em Cajazeiras.
Segundo informações, o acidente ocorreu quando a vitima soltava bombas, comemorando o resultado da votação do impeachment da Presidenta Dilma.
O homem teve dois dedos praticamente arrancados, além de vários ferimentos graves.
O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado socorrendo o mesmo para o Hospital Regional de Cajazeiras onde o mesmo está internado.

Em vídeo, Zenaide Maia justifica voto contra impeachment

PT vai discutir proposta de novas eleições

O diretório nacional do PT vai apreciar nesta segunda-feira, 18, a proposta de lançar uma campanha nacional pela realização de novas eleições para a presidência. A proposta será apresentada pelo secretário nacional de Finanças do partido, Márcio Macedo.
“Vou defender que o PT não aceite nem apoie um governo que não veio das urnas, discutir qual futuro nós queremos e a realização de eleições diretas para presidente do Brasil”, disse o dirigente petista. A realização de novas eleições vem sendo discutida no PT e no governo há mais de um mês e ganhou força na última semana, com a iminência da aprovação pela Câmara do prosseguimento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.
O deputado Wadih Damous (PT-RJ), um dos mais influentes deputados da bancada petista na Câmara, também defende a proposta. Na entrevista que concedeu quarta-feira Dilma também disse “respeitar uma proposta que venha das urnas”.

NO SENADO: "Cunha entrega para Renan processo de impeachment de Dilma"

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), entregou nesta segunda-feira (18) o processo de impeachment de Dilma Rousseff ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PDMB-AL). Os dois tiveram um encontro no gabinete de Renan na parte da tarde. A pilha de documentos do processo, com 36 volumes e 11 anexos, foi entregue por um servidor da Câmara na Secretaria Geral da Mesa.
Neste domingo (17), a Câmara dos Deputados decidiu, por 367 votos a favor, 137 contrários, sete abstenções e duas ausências, encaminhar o processo de impeachment ao Senado, que deverá decidir se julga o caso (veja resumo do rito no Senado ao final desta reportagem).
Um resumo do processo deverá ser lido na sessão desta terça-feira (19) no Senado, e deverão ser indicados os integrantes da comissão especial que analisará o caso. O presidente e o relator do colegiado, que terá 21 senadores titulares, deverão ser eleitos dentro do prazo de 48 horas. A reunião da comissão deve acontecer na quarta-feira (19), já que quinta-feira é feriado.
O presidente do Senado reconheceu que existe uma pressão para que o processo ande de maneira rápida. Renan disse, no entanto, que não pode haver “atropelo” nem “procrastinação”. “Nós temos pessoas que pedem para agilizar o processo, mas nós não poderemos agilizar de tal forma que pareça atropelo, ou delongar de tal forma que pareça procrastinação”, disse Renan Calheiros.

DILMA: "“Também me sinto injustiçada por não permitirem nos últimos 15 meses que eu tenha governado num clima de estabilidade política”

A presidente Dilma Rousseff reiterou várias vezes, durante pronunciamento nesta segunda-feira (18) no Palácio do Planalto, que se sente injustiçada com a decisão da Câmara dos Deputados sobre o prosseguimento do processo de impeachment ao qual responde.
Por 367 votos a 137, os deputados aprovaram neste domingo (17) autorizar a abertura do processo no Senado, instância responsável por julgar se a presidente cometeu crime de responsabilidade. Dilma afirmou que se sente injustiçada, entre outras razões, porque a sessão da Câmara foi presidida por alguém, que é acusado de ter contas ilegamente no exterior, em referência ao deputado Eduardo Cunha.
“Também me sinto injustiçada por não permitirem nos últimos 15 meses que eu tenha governado num clima de estabilidade política”, declarou. De acordo com a presidente, a injustiça também é praticada porque, segundo afirmou, não cometeu crime de responsabilidade e devido a um suposto tratamento diferenciado.
“Não há crime de responsabilidade. Os atos pelos quais me acusam foram praticados por outros presidentes da República antes de mim e não foram caracterizados como atos ilegais ou criminosos”, declarou. “A mim se reserva um tratamento que não se reservou a ninguém. Os atos que me acusaram foram praticados baseados em pareceres técnicos.”

FÁTIMA BEZERRA: "O que vimos foi o rebaixamento da política, uma desqualificação”

A senadora Fátima Bezerra se disse indignada, nesta segunda-feira (18), pela aprovação da abertura do processo de impeachment, da presidenta Dilma Rousseff, pela Câmara dos Deputados. Segundo a parlamentar, a maioria do povo brasileiro está estarrecida com o que aconteceu naquela Casa.
“O que vimos, ontem na Câmara, foi uma fraude, uma farsa, que causou muita indignação. Fico aqui pensando como a maioria do povo brasileiro assistiu àquele espetáculo deprimente, desprezível. O que vimos ontem foi o rebaixamento da política, uma desqualificação” – afirmou a senadora. Disse que o PT  vai continuar lutando contra esse expediente aprovado pela Câmara, e à favor de Dilma Roussef.