.

sábado, 16 de setembro de 2017

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA ASSESSORIA DO DEPUTADO FEDERAL WALTER ALVES Á RESPEITO DE MATÉRIA VINCULADA NO BLOG

Nota

Walter Alves não possui contrato com empresa ligada a Arturo Arruda

A respeito da matéria vinculada no blog “ivanildosouza.com”, cujo título é “Farra: Walter Alves gasta mais de R$ 279 mil com divulgação do mandato”, a assessoria de imprensa do deputado federal Walter Alves (PMDB-RN) explica que, diferente do que foi noticiado, o mandato do parlamentar não possui ou possuiu qualquer contrato firmado com a empresa “Art&C”, propriedade do empresário Arturo Arruda.

O mandato do deputado Walter Alves mantinha contrato com a empresa “Art Etc Comunicação & Marketing”, cujo CNPJ é o 38.006.706/0001-33, e sua sede é em Brasília-DF.  

Em nenhum momento, desde que assumiu o mandato de deputado federal, em janeiro de 2015, o deputado federal Walter Alves estabeleceu contrato com a empresa “Art & C Comunicação Integrada LTDA”, cujo um dos sócios é o empresário Arturo Arruda.

Com esta nota, a assessoria do deputado federal Walter Alves espera que a verdade seja restabelecida.


Walter Alves - O deputado do RN

Roberto Lucena - Assessor de Imprensa
(84) 2030-1511 / (84) 99988-9912 (WhatsApp)

George Lall - Assessoria de Marketing
(84) 999324888 / (84) 3221-2514

DO BLOG: "Feito o registro, o Blog agradece o contato feito pela assessoria do Deputado Federal Walter Alves-PMDB/RN, na pessoa do Sr. Roberto Lucena e assegura que nosso espaço, está inteiramente a disposição do Deputado e de qualquer outra pessoa, que julgar necessário fazer algum tipo de esclarecimento. Nossa meta é levar sempre a verdade aos leitores e amigos que acompanham nosso trabalho."
                            

HOMEM FORTE: "Preso há 3 meses, Henrique Alves segue como integrante da Executiva do PMDB"

Preso há três meses no Rio Grande do Norte, o ex-ministro Henrique Eduardo Alves permanece como membro da Executiva Nacional do PMDB. Ele é um vogal. Não há sinal de que sua situação será alterada.
O ex-ministro de Michel Temer, Geddel Vieira Lima, por sua vez, foi afastado na quarta-feira (13). Mas sua suspensão só ocorreu após ele ter pedido licença.
DUBAI – Em sua delação premiada, o corretor de valores Lúcio Bolonha Funaro afirmou aos investigadores que o ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), atualmente em prisão preventiva, esvaziou uma conta bancária em Dubai, nos Emirados Árabes, e trouxe os recursos para o Brasil.
De acordo com Funaro, antes de ser depositado em Dubai, o dinheiro estava no banco suíço Julius Baer. As autoridades suíças quebraram o sigilo bancário da conta no Julius Baer porque Alves estava sob investigação. O ex-ministro decidiu, então, enviar os recursos para os Emirados Árabes em 2015. Os valores foram depositados pela Carioca Engenharia.
O delator afirma que foram realizadas operações de “dólar-cabo” para que Alves pudesse dispor desses recursos no Brasil. Prática tradicional para lavagem de dinheiro, esse tipo de operação geralmente consiste em um doleiro receber no exterior e disponibilizar recursos no país.
A defesa de Alves sustenta, no processo sobre a conta no exterior, que ele não movimentou a conta na Suíça e não teve responsabilidade no envio dos recursos a Dubai.
VIA AGORA RN

PROTESTO: "Multidão participa do I Grito das Facções, realizado em São José do Seridó"

Multidão participa do I Grito das Facções, realizado em São José do Seridó em protesto à ação movida pelo MPT contra o Pró-Sertão.
Presença do governador do estado, deputados federais, estaduais, além de prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e lideranças da região. Proprietários das pequenas indústrias e costureiros lotam ginásio da cidade.

Delação de oito executivos da OAS chega ao STF e atinge Lula, Dilma e aliados de Temer

Depois das delações da Odebrecht e da JBS, que provocaram estragos no mundo político e indignação no país ao revelar esquemas de corrupção arquitetados ao longo dos últimos governos, será revelada a versão de mais uma empresa sobre conchavos feitos com o poder público. Chegou nesta sexta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) a colaboração premiada de oito executivos da OAS, uma das empreiteiras acusadas de desviar dinheiro de contratos da Petrobras para pagar propina a políticos. O material é extenso e tem conteúdo comprometedor para aliados do presidente Michel Temer, além de atirar nos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.
O relator da Lava-Jato no Supremo, ministro Edson Fachin, ainda vai decidir se homologa ou não a colaboração.
Quando todos achavam que a denúncia apresentada contra Temer na última quinta-feira era a última flechada do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a delação da OAS aterrissou no dia seguinte no tribunal para turbinar ainda mais a Operação Lava-Jato. O material foi enviado à mais alta Corte do país porque os delatores falaram de crimes supostamente cometidos por pessoas com direito ao foro privilegiado, como parlamentares e ministros de Estado. Há a expectativa de que integrantes do Judiciário também tenham sido citados.
As provas apresentadas pelos delatores incluem montanhas de papel e mídias com depoimentos gravados. Tudo está protegido por segredo de Justiça. Não há previsão da divulgação do teor da colaboração. Entre os delatores cujos nomes estão em sigilo não está o ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro. Ele está preso por ordem do juiz Sergio Moro, que conduz julgamentos da Lava-Jato na primeira instância. Os depoimentos prestados por ele ao Ministério Público Federal (MPF) ainda são aguardados no STF para os próximos dias.
A delação de Pinheiro promete ser comprometedora especialmente para Lula. Em maio, advogados do executivo apresentaram a Moro uma série de documentos que supostamente comprovariam a execução de obras do tríplex no Guarujá e do sítio em Atibaia, ambos em São Paulo. Os imóveis teriam sido reformados para o uso do ex-presidente.

O Globo

BLOG DO PRIMO: "Rogério Marinho é chamado de traidor em Mossoró." Veja o vídeo.

O deputado Rogério Marinho tem sido o parlamentar mais hostilizado do Brasil.
Onde tem passado, o deputado saco preto como é chamado tem sido alvo de protestos.
O último ato de hostilidade contra o deputado Rogério Marinho foi registrado em Mossoró, onde ele foi fazer uma palestra sobre a Reforma Trabalhista.O deputado está sendo motivo de galhofa.
Confira: 

NATAL: "Suspeita de funcionários fantasmas na Câmara Municipal"

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), por intermédio do Centro de Apoio das Promotorias de Justiça do Patrimônio Público e Combate à Sonegação Fiscal (Caop-PP) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em conjunto com o Movimento Articulado de Combate à Corrupção (Marcco), encaminharam ofício à presidência da Câmara Municipal de Natal nesta quinta-feira (14), solicitando informações sobre a exoneração de 158 servidores ocupantes de cargos comissionados de assessor parlamentar municipal.
O documento foi entregue em mãos ao presidente da Câmara Municipal, Ney Lopes Junior, pelos promotores de Justiça e pelo coordenador adjunto do Marcco, no qual se questiona o fato de o ato administrativo não ter informado o nome dos servidores exonerados, violando os princípios constitucionais da publicidade e da transparência.
Dessa forma, o MPRN e o Marcco requerem que o órgão forneça informações a respeito do nome de todos os servidores exonerados e suas respectivas lotações e qualificações, incluindo endereço e nível de escolaridade, no prazo de 10 dias úteis. Além disso, solicita também o fornecimento das portarias de nomeação dos referidos servidores e ainda as folhas de ponto ou controle de frequência de todos.
O presidente em exercício, vereador Ney Júnior tem renomeado pessoas que comprovadamente estavam prestando serviços e cumprindo expedientes. Até a óltima segunda-feira foram renomeadas 34 pessoas.