.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

SANTANA DO SERIDÓ: "Vereador Berré nega aproximação com o prefeito Hudson"


O Vereador Sebastião Sobrinho de Azevedo(Berré), negou que esteja propenso a apoiar a gestão do prefeito Hudson Pereira de Brito.

Segundo o próprio vereador, não existe nenhuma possibilidade do mesmo deixar o PMDB.

"Fui eleito pelo PMDB, pelo bacurau, e vou continuar nele até o fim. Tenho uma maneira diferente de trabalhar, não sou contra e nem a favor de Hudson, sou a favor do povo de Santana do Seridó, o que for bom para o povo, terá o meu apoio, pertenço ao grupo de oposição e vou continuar nele". Declarou Berré.



IBOPE: "Apenas 9% aprovam governo Temer"

Pesquisa Ibope divulgada pelo colunista José Roberto Toledo, do jornal O Estado de S. Paulo, mostra que o presidente Michel Temer tem a pior avaliação entre os chefes do Executivo. Apenas 9% dos entrevistados classificam como boa ou ótima a gestão do atual presidente. O índice alcançado pelo peemedebista é um ponto inferior ao registrado em março e quatro abaixo do apontado em setembro. A pesquisa foi concluída antes da divulgação da lista dos políticos investigados no Supremo Tribunal Federal (STF) com base nas delações da Odebrecht.
“Defensores do presidente costumam dizer que a desaprovação é geral, que a revolta é contra todos os políticos. Pode ser, mas com Temer é pior, bem pior. A taxa de ótimo e bom dos governadores é mais do que o dobro da do presidente: 22%. E a dos novos prefeitos, quatro vezes superior à de Temer: 37%”, destaca Toledo.
De acordo com o jornalista, na média, governadores e prefeitos tiveram melhora de avaliação em comparação com os dados levantados pelo Ibope em dezembro de 2015, quando o instituto fez esse tipo de pesquisa ao mesmo tempo nas três esferas de governo. Na época, Dilma era a presidente.Em média, a aprovação aos governadores cresceu três pontos e a dos prefeitos pulou de 24% para 37%.
Para o analista, três motivos justificam a má avaliação de Temer em comparação com governadores e prefeitos: desemprego maior, renda menor e reforma da Previdência.
Quando Dilma chegou a um dígito de ótimo/bom, em 2015, o então vice-presidente afirmou que seria difícil para ela manter-se no cargo por mais três anos. Dilma caiu sete meses depois.
Para José Roberto Toledo, Temer tem mais chances do que sua antecessora de seguir no comando do país mesmo com apenas um dígito de popularidade por cinco motivos. Entre eles, a rejeição ao presidente (56%) ainda é inferior ao pior momento de Dilma (70%, em dezembro de 2015), ele não tem um vice querendo o seu lugar e falta alguém que queira entrar em seu lugar imediatamente.
Congresso em Foco


LAVA-JATO: "Paulinho da Força negociou fim de greve por propina da Odebrecht"

Os executivos da Odebrecht Carlos Armando Guedes de Paschoal e Alexandrino de Salles Ramos de Alencar apontam em depoimento à Lava Jato o repasse não contabilizado de R$ 200 mil para o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, por apoio contra greves nas Usinas Hidrelétricas do Rio Madeira em 2012.
Com o pretexto de contribuição para campanha, Paulinho da Força, então deputado pelo PDT, teria recebido propina em espécie através do Setor de Operações Estruturadas da empreiteira, chefiado por Hilberto Mascarenhas. À época, o deputado era conhecido pelo codinome de “Boa Vista”, alcunha que seria substituída mais tarde por “Forte”.
Outro inquérito aberto a pedido do ministro do STF Edson Fachin aponta doações anuais de R$ 100 mil da Odebrecht para a realização de eventos da Força Sindical em comemoração ao Dia do Trabalho.

RN: "Delator diz que tratou de caixa 2 com deputado “Garanhão”

O executivo Alexandre José Lopes Barradas disse em delação premiada que tratou do pagamento de caixa 2 em 2010 diretamente com o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN), conhecido como “Garanhão” na planilha da empreiteira.
Na época, Fábio Faria concorria a uma cadeira na Câmara dos Deputados, enquanto o pai, Robinson Faria (PSD), era o vice na chapa encabeçada por Rosalba Ciarlini (PP) na disputa pelo governo do Rio Grande do Norte. Hoje, Robinson é o governador do Estado e Rosalba, prefeita de Mossoró.
“Ele (Fábio Faria) falou que precisava de R$ 100 mil pra campanha dele e R$ 350 mil seriam repassados pra campanha majoritária (de Rosalba Ciarlini ao governo estadual), mas essa conversa foi só com ele. Não teve o pai dele nessa conversa”, disse Barradas em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR).
Indagado se o parlamentar perguntou de onde vinha o dinheiro, Barradas foi categórico: “A maneira de fazer (o repasse) foi logo colocada: ‘Agora eu não tenho condições de fazer forma oficial, eu tenho de fazer via caixa 2…’ Isso foi falado”.


BLOG INFORMA: "Confira os especialistas da semana do Centro Integrado ECON. De 17 á 21 de abril"