.

domingo, 21 de agosto de 2016

PRESTANDO CONTAS: "Você sabia? Foi do vereador Frank Professor o requerimento que possibilitou a vinda do SAMU para Parelhas"



Vereador Frank Professor
    Sempre Presente

ECON INFORMA: "Confira os especialistas da semana de 22 á 26 de agosto"


DILMA VAI AO SENADO NA PRÓXIMA SEGUNDA(29): “Se me hostilizarem, não será problema meu”

Dilma Rousseff estava mais bem humorada do que no último encontro. Essa foi a impressão quase unânime de quem esteve nesta quinta-feira (18) no Palácio da Alvorada para tratar do discurso que a presidente afastada fará no Senado na próxima segunda-feira (29).
Será uma espécie de interrogatório em que a petista vai se defender da acusação de ter cometido crime de responsabilidade fiscal. E Dilma se dizia tranquila.
“Se me hostilizarem, não será problema meu”, afirmou a aliados. “Se o Senado quiser repetir a sessão da Câmara, é um problema do Senado”, completou em referência à votação de 17 de abril, em que deputados autorizaram a abertura do processo de impeachment com saudações, inclusive, ao torturador de Dilma, o coronel Carlos Brilhante Ustra.
Não foi um trabalho fácil convencer a presidente afastada a comparecer ao plenário do Senado. Ela estava reticente e ouviu todas as argumentações de auxiliares antes de bater o martelo no início desta semana.
Agora, afirmam pessoas próximas, “Dilma volta a ser Dilma” e dedica quase que a totalidade de seu dia na preparação do discurso. Seu advogado, José Eduardo Cardozo, vai começar a trabalhar na produção do texto neste fim de semana.
Há apenas uma linha geral definida, nada de muito diferente do que a defesa vem apresentando durante todo o processo. Dilma se diz inocente, afirma que não cometeu crime de responsabilidade e que seu impeachment, da forma como está colocado, é “golpe”.
Dilma vai preparada para falar sobre sua relação com senadores que foram ministros de seu governo, ela tem muitas historias.

CURRAIS NOVOS: "Frieza e indiferença na campanha eleitoral deste ano"

Se em municípios menores, a campanha eleitoral está a todo vapor, em Currais Novos a movimentação até agora tem sido bastante tímida, só funcionando pra valer, os bastidores políticos.
Na verdade, o eleitorado de Currais Novos, tem demostrado indiferença, frieza, com relação à campanha.
Com certeza, os escândalos nacionais e as recentes investigações, envolvendo políticos de Currais Novos, devem estar contribuindo ainda mais para afugentar da campanha, o eleitorado, sobretudo aquele mais consciente.

SEM FILHOS: "Igreja Universal é investigada por suspeita de obrigar pastores a fazer vasectomia"

A Igreja Universal do Reino de Deus poderá ter que se explicar na Justiça sobre a acusação de que obriga pastores e bispos a se submeterem a vasectomias.
A unidade do MPT (Ministério Público do Trabalho) em Osasco tenta reunir detalhes para entrar com uma ação civil pública contra a instituição.
A Universal se recusa a assinar o compromisso de interromper a prática de esterilização, proposto pelo MPT, porque diz que ela não existe. Numa audiência, a igreja afirmou saber de dez processos contra ela, num total de 10 mil pastores no país.
Disse também que filhos dificultam o trabalho das lideranças de “propagar o evangelho pelo mundo”, mas que a decisão de tê-los ou não é livre.
O Ministério Público do Estado de SP também tem uma apuração na área criminal sobre as denúncias.
Mônica Bergamo

JUIZ ELEITORAL: "O eleitor não gosta de baixaria, briga e confusão, o eleitor quer ouvir propostas"

O juiz da propaganda eleitoral, José Ferreira Ramos, garantiu que as denúncias sobre propagandas irregulares de candidatos em João Pessoa serão analisadas por uma equipe técnica do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) entre 24h e 48h. Ele salientou que os candidatos devem ter cautela para não exagerarem nas críticas aos opositores de modo que “não venham a denegrir a imagem dos adversários”.
“O candidato pode e deve fazer críticas e reivindicações, desde que não atinjam a honra e amoral. O eleitor não gosta de baixaria, briga e confusão. O eleitor quer ouvir propostas para que ele possa escolher seu candidato”, avaliou. José Ferreira salientou que a fiscalização dessa eleição contará com a população na realização de denúncias que possam levar aos que tentarem burlar a legislação.
“Eu tenho dito que não existe fiscal melhor do que o cidadão. A minha equipe é dos mais de 400 mil eleitores de João Pessoa, que são os meus fiscais e que estarão colaborando conosco, assim como os partidos políticos”. O juiz da propaganda disse ainda que tentará dar celeridade ao julgamento das ações que chegarem à Justiça Eleitoral. “Vamos apurar as denúncias que vierem e esperamos que os abusos sejam realmente denunciados. Esperamos que seja vencedor não que tem mais dinheiro ou o que atacou mais, mas aquele que o povo quis eleger”.
Ele informou ainda que o processo iniciou de forma muito tranquila com apenas seis representações na pré-campanha, “todas simples e todas indeferidas”. Nesta segunda-feira (22) será realizada uma reunião com todos os candidatos, a imprensa e os marqueteiros para tratar do programa eleitoral.