.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

ALERTA: "Câncer de boca: combinação de álcool e cigarro é a principal causa"

Considerado um problema de saúde pública no mundo inteiro, o câncer de cavidade oral, mais conhecido como câncer de boca, atinge principalmente os homens com mais de 40 anos. De acordo com dados divulgados pelo INCA, Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, estimavam-se, para 2014, 11.280 casos novos de câncer da cavidade oral em homens e 4.010 em mulheres. É o quarto mais frequente em homens nas regiões Sudeste e Nordeste do Brasil.
Entre as principais causas destacam-se o tabagismo e o consumo excessivo de álcool. As chances de desenvolver a doença aumentam quando associados à má higiene bucal e à falta de acompanhamento odontológico de rotina. A exposição excessiva ao sol e a alimentação pobre em nutrientes como a vitamina C também são fatores de risco.
“Parar de fumar é essencial na redução do risco desse tipo de câncer’, explica o oncologista Paulo Mora, do Grupo COI – Clínicas Oncológicas Integradas. “Já existem diversas opções que podem ajudar o fumante se livrar da dependência: consulte o seu médico. Redução no consumo de álcool e dietas mais saudáveis e exercícios físicos regulares também ajudam na interrupção do hábito de fumar’, orienta.
O especialista explica que contam também predisposições genéticas, fatores ambientais e infecções por vírus —como o Vírus Epstein Barr (EBV), associado ao carcinoma de nasofaringe, o HPV, ao câncer de cabeça e pescoço, e o HIV, que aumenta em três vezes o risco de câncer nessa região. “A exposição ocupacional, no trabalho, a alguns agentes tóxicos, como como percloroetileno, asbestos e pesticidas, aumentavam a chance de tumores de cabeça e pescoço, mas nos dias atuais essa exposição é rara’, afirma.
Assim como todo tipo de câncer, quanto antes identificado e tratado com os recursos adequados, maiores são as chances de ser curado. Por isso, é importante prestar atenção nos sintomas.

EM MEIO A CRISE: "Brasil está acima da média nas compras online em smartphones"

Com cada vez mais utilidades e aplicativos, os celulares do tipo smartphone têm sido uma alternativa também para fazer compras online. É o que mostra uma pesquisa divulgada pelo site de compras coletivas Groupon. De acordo com o levantamento, que ouviu 6 mil pessoas no Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e México, a média de compras online por dispositivos móveis nesses cinco países em conjunto é de 15,6%.
Individualmente, o Brasil está acima da média e tem a maior proporção de compras por celular entre os países avaliados. O índice de compras feitas por smartphone entre os entrevistados brasileiros é 20,6%. No México, que ocupa o segundo lugar, a frequência das compras online pelo celular fica em 19,7%. Na Colômbia, é 17,2% e no Chile, 12,8%. A Argentina registrou o menor índice: 8%.
Mesmo se tornando populares, as compras por smartphone ainda perdem para as transações via computador pessoal. A média das compras por computador nos cinco países pesquisados é 78,7%. No Brasil, os usuários preferem o computador em 73,8% das ocasiões. O país fica atrás da Argentina, com 88,5%, e do Chile, com 82,7%, mas à frente de Colômbia, com 77,2%, e México, com 71,4%.