.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

NEM TANTO: "Fábio Faria demonstrou surpresa com a saída do PT do governo"

Em entrevista ao Meio Dia Cidade (94 FM), hoje (14), o deputado federal Fábio Faria (PSD) demonstrou surpresa com a decisão do PT em deixar a base do governo Robinson Faria (PSD).
Essa foi uma reação proposta pelo deputado petista Fernando Mineiro, frente ao voto do parlamentar federal pelo parlamentar federal ao impeachment da presidente Dilma.
“Logo o PT que sempre defendeu posições tomadas de forma coletiva, e bastou eu anunciar uma posição coerente com a do meu partido, e o PT age mediante uma decisão, sem ouvir os demais filiados”, disse Fábio.

FINALMENTE ACORDOU: "Presidente estadual do PT confirma saída do governo Robinson"

O posicionamento do deputado Fábio Faria (PSD), que votará em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) causou reações fortes e rápidas no Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores.
O deputado Fernando Mineiro (PT) defendeu ontem a noite (13), através do twitter, o rompimento com o governo estadual e a entrega dos cargos. O presidente da legenda do PT, Eraldo Paiva, convocou na manhã de hoje (14) uma executiva do partido para oficializar a saída do governo.
Segundo Eraldo Paiva, o PT não pode conviver com um deputado e com um governo que se posiciona contra eles e a presidente Dilma Rousseff.
Nominuto.com

PDT decide votar contra impeachment de Dilma

Enquanto o governo perdeu o apoio do PMDB, PP e PRB que anunciaram que vão votar a favor doimpeachment da presidenta Dilma Roussef no próximo domingo (17) na Câmara, hoje (13), alguns antigos aliados decidiram reforçar o apoio ao Palácio do Planalto. O PDT, mesmo com parlamentares críticos a algumas conduções do Executivo, principalmente na área econômica, avisou que se mantém na base e fechou questão para votar contra o impedimento da presidenta.
A decisão foi tomada numa reunião na casa do líder na Câmara, deputado Weverton Rocha (MA), com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e o ministro André Figueiredo, das Comunicações, que terminou à 1h30 da madrugada. “A reunião foi longa. É característica do partido ter discussões. O partido tem muitas criticas desde o início do governo”, disse Weverton.

CORRUPÇÃO: "Investigado na Lava Jato dará primeiro voto sobre impeachment"

O deputado Afonso Hamm (PP-RS), político há 20 anos, será protagonista no próximo domingo. O parlamentar deve ser o primeiro a se pronunciar na votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff no plenário da Câmara dos Deputados.
No entanto, como revela a reportagem do jornal O Globo, a conduta do deputado pode ser duvidosa. Segundo a publicação, desde março do ano passado, Hammm é um dos parlamentares investigados no Supremo Tribunal Federal (STF), por suspeitas de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras, revelado na Operação Lava Jato.
Afonso Hamm foi citado em delação premiada do doleiro Alberto Youssef como um dos deputados que teriam feito parte de um grupo de menor expressão do PP, que recebia entre R$ 30 mil e R$ 150 mil como cota no esquema. O deputado prestou esclarecimentos sobre a denúncias na Procuradoria Geral da República (PGR).

BOA NOTÍCIA: "Dilma sanciona, sem vetos, ‘pílula do câncer’"

A presidente Dilma Rousseff sancionou, sem vetos, a lei que autoriza o uso da fosfoetanolamina sintética por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna. O produto, que ficou conhecido como “pílula do câncer”, poderá ser usado pelos pacientes, “por livre escolha”, desde que tenham laudo médico que comprove o diagnóstico e assinatura de termo de consentimento e responsabilidade dos próprios pacientes ou de seus representantes legais. O texto está publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 14.

CRISE: "Arno fecha fábrica em SP e demite mais de 2 mil funcionários"

A Arno vai fechar sua fábrica na capital paulista e mais de 2.000 trabalhadores diretos e indiretos podem perder seus empregos, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes. O Groupe SEB, responsável pela marca, anunciou ontem que a empresa sairá da Mooca (zona leste) e irá para Itatiaia, no sul do Rio de Janeiro.
Segundo a empresa, “não é mais viável manter uma fábrica na região central de São Paulo, com perfil urbano e com dificuldades operacionais e logísticas”. O sindicato disse que foi informado da decisão da empresa há cerca de 15 dias e que não houve negociação.