.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

PARELHAS: "Câmara Municipal realiza nesta sexta-feira(07) audiência pública para discutir Reforma da Previdência"


Atendendo a Proposição 108/2017 do vereador Frank Professor, a Câmara Municipal de Parelhas realizará na próxima sexta-feira(07), uma importante audiência pública que discutirá a PEC 287/2016 que trata da Reforma da Previdência, proposta pelo Presidente da República, Michel Temer.
A audiência  acontecerá no Plenário Guiomar Virgílio, no prédio do Poder Legislativo e terá a participação  da Dra  Fabiana, pós-graduada em Direito e Processo do Trabalho, Francisco de Assis, Secretário Geral da FETARN, Grabiel, Gerente do INSS(Parelhas), além de todos os vereadoras e vereadoras.
A referida audiência terá inicio ás 19h e 30m.


ECON: "Dr. Tiago e Dr. Renato são os especialistas desta sexta(07)"


PARELHAS: "Secretário de Cultura explica questão da Banda 11 de Fevereiro"

O Secretário de Turismo, Cultura e Esportes, Ulisses Oliveira, esclareceu através das redes sociais a celeuma, em torno da centenária Banda 11 de Fevereiro.
Ulisses explicou que sempre nesse período do ano, a Banda em questão, fica sem ter quase nenhuma atividade, mas que a Secretaria nunca parou e ainda essa semana é provável que a Banda retorne as suas atividades.
"Desde a manhã de ontem, estamos buscando a solução legal para resolver a questão. Paramos o mês de março. fevereiro sempre paramos com as atividades. Somente em 2017 a prefeitura de Parelhas, junto com a Matriz de São Sebastião destinou para Banda, R$ 10.000,00 em forma de incentivo, é pouco, mas considero um incetivo." Explicou o Secretário.

Fátima Bezerra cobra repasse de R$ 2 milhões para a Cultura do RN

A senadora Fátima Bezerra cobrou, nesta terça-feira, do ministro da Cultura, Roberto Freire, que não seja vetado o pensamento crítico nos pontos de cultura. Atualmente, o Rio Grande do Norte tem 43 pontos de cultura, mas o repasse da terceira parcela, no valor de R$ 2.120.000,00, encontra-se atrasado.
“Os pontos de cultura vieram para romper com aquela visão elitista e arcaica da cultura. O Brasil precisa retomar com esse projeto, dando a esses locais o protagonismo e o respeito que merecem. Espero que vossa excelência, como crítico do projeto Escola sem Partido, apelidado de Lei da Mordaça, não queira implementar o ponto de cultura sem pensamento crítico”, disse a senadora, no debate realizado pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado.


RESPOSTA: "João Maia se defende de acusações de delator"

Segundo delação premiada do ex-chefe de Serviço de Engenharia do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT), Gledson Golbery de Araújo Maia, o ex-deputado federal João Maia (PR) cobrava propina de empreiteiras que eram contratadas pelo órgão para realizar obras no Rio Grande do Norte.
A denúncia veio a tona na manhã desta terça-feira, 4, e já recebeu resposta do acusado, que alegou ainda não ter tido acesso ao conteúdo das delações, mas se esquivou das denúncias. Confira abaixo nota de esclarecimento emitida pelo ex-deputado e atual presidente do diretório estadual do PR:
A imprensa divulgou nesta terça-feira (04) notícia sobre delação premiada do Sr. Gledson Golbery de Araújo Maia, ex-chefe do serviço de engenharia do DNIT no Rio Grande do Norte, na qual eu sou acusado de ter sido favorecido por irregularidades cometidas naquele órgão.
O processo tramita em segredo de Justiça, e por isso ainda não tive acesso aos autos e ao conteúdo da delação, providência essa que os meus advogados já requereram e que aguarda deferimento para que eu, conhecendo de que sou acusado, possa me defender.
Confio plenamente no Poder Judiciário, e tenho a mais firme convicção de que as investigações irão distinguir a mentira da verdade, e ao final demonstrar que são acusações infundadas de quem busca culpados para as suas próprias fraquezas. 
João da Silva Maia
Ex-deputado federal e Presidente Estadual do PR
AgoraRN


CORRUPÇÃO: "Delator diz que Odebrecht deu R$ 2 milhões em caixa dois a Henrique Alves"

O ex-presidente da Odebrecht Ambiental Fernando Cunha Reis afirmou, em seu acordo de delação premiada no âmbito da Lava Jato, que doou R$ 2 milhões em caixa dois para a campanha do pemedebista Henrique Eduardo Alves ao governo do Rio Grande do Norte, em 2014.
Alves perdeu a eleição no segundo turno para Robinson Faria, candidato do PSD.
O pedido de contribuição foi feito, segundo o delator, numa reunião de que ele participou juntamente com Alves e o então deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje preso em Curitiba pela Operação Lava Jato.

AgoraRN


PROFECIA: "Renan prevê queda de Temer e do PMDB"

Ex-presidente do Senado e líder do PMDB na Casa, Renan Calheiros considera como líquido e certo que o governo de Michel Temer naufragará. Durante conversa com jornalistas nesta terça-feira, 4, Renan chamou o governo de “temporário”.
“O PMDB vai ter de patrocinar as reformas vindas do Planalto sem discutir? Se continuar assim, vai cair o governo para um lado e o PMDB para o outro. É uma questão política, não é pessoal”, disse o senador.


BRASÍLIA: "Governo manobra na Câmara para acelerar reforma da Previdência no Senado"

Para acelerar a votação da emenda constitucional da reforma da Previdência no Congresso, o Palácio do Palácio do Planalto orientou seus aliados no Legislativo a adotarem um rito inédito: três senadores governistas serão indicados para acompanhar os trabalhos finais da comissão especial da Câmara criada para propor alterações nas regras das aposentadorias. O objetivo é tentar negociar um texto com a chancela de um grupo de senadores para acelerar a votação final do texto.
A comissão de três senadores terá contato direto com o relator da emenda na Câmara, deputado Artur Maia (PPS-BA), e poderá incluir sugestões antes da definição do texto pelos deputados. “O objetivo é negociar antecipadamente para quando a emenda chegar ao Senado já ter superado as primeiras dificuldades”, disse o presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência, Carlos Marun (PMDB-MS).
A intenção do Planalto é escolher um dos três senadores como relator e presidente da comissão especial que, pelo regimento, terá que ser formada no Senado para tratar da emenda. A manobra não está prevista formalmente nos regimentos das duas Casas legislativas e mostra o nível elevado de preocupação do governo com o tema polêmico, que já enfrenta dificuldades de aprovação no plenário da Câmara.
Pela proposta do governo, já aceita pelo relator Artur Maia, está a definição de 65 anos como idade mínima para que homens e mulheres possam requerer aposentadoria; a instituição da contribuição previdenciária de 5% para o trabalhador rural; mínimo de 25 anos de contribuição para que o trabalhador rural requeira a aposentadoria proporcional; desvinculação dos benefícios previdenciários do reajuste do salário mínimo; elevação de 65 para 70 anos a idade mínima para recebimento de Benefício de Prestação Continuada (BPC); e fim das aposentadorias especiais para policiais, entre outras alterações.