.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

PARELHAS: "Estão querendo se passar por Padre Rômulo"

O Pároco aqui da cidade de Parelhas, Pe Rômulo Azevedo, denunciou através de um áudio no aplicativo WhatsApp, que uma pessoa por nome Kelvin Adans fez um perfil falso no Facebook  usando suas fotos e mandando convites para pessoas que fazem parte de suas redes sociais.

Segundo Pe Rômulo, já entrou em contato com pessoas que entendem do mundo virtual e o individuou  não estaria se passando por ele, mas está usando as suas fotos.

Ainda no áudio, o Padre pede a todos que verifiquem no Facebook o seu verdadeiro perfil.














LULA: "Para diminuir violência, é preciso dar emprego e não arma"

Em mais uma etapa de sua “caravana” pelos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta terça-feira (5) que a solução para diminuir os índices de violência no Brasil é dar “emprego e salário” em vez de “arma”.
“Eles acham que para diminuir a violência é preciso distribuir arma pro povo, eu acho que é preciso distribuir emprego e salário”, afirmou Lula durante ato na cidade de Campos, no Norte Fluminense.
Lula também evocou a questão da posse de arma no país ao falar que não daria “fuzil para fazendeiro”, mas “terra para trabalhador”, ao comentar que já viu “gente falando” em combater o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) –cujo boné usou durante o ato– fornecendo armas para agricultores.
O uso de fuzis por fazendeiros contra invasões de militantes do MST já foi defendido publicamente pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que tem a liberação do porte de armas entre suas principais bandeiras.
Em pesquisa Datafolha divulgada no último sábado (2), o petista lidera as intenções de voto para a eleição presidencial de 2018 em todos os cenários apresentados aos entrevistados, variando entre 34% e 37%, sempre seguido por Bolsonaro, que flutua entre 17% e 19% nos cenários em que Lula aparece.

LIVRES: "TSE rejeita ações contra Lula e Bolsonaro por campanha antecipada"

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) julgou nesta terça-feira (5) improcedentes duas representações da Procuradoria-Geral Eleitoral contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e contra o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por suposta campanha eleitoral antecipada.
No caso de Lula, o julgamento foi 4 (pela improcedência da representação) a 3 (pela procedência). No de Bolsonaro, foi 5 a 2. Em março, a Procuradoria-Geral Eleitoral entrou com representações no TSE pedindo para que eles fossem punidos pela divulgação de vídeos na internet com “menção expressa” a candidaturas para 2018.
De acordo com a Procuradoria, a divulgação dos vídeos “causa desequilíbrio na campanha, além de ferir a igualdade de oportunidade dos candidatos”. As punições pedidas iam do pagamento de multa no valor de R$ 5.000 a R$ 25 mil e a retirada do material da internet. As informações são da Folha de São Paulo.

Governo do Estado paga hoje (06) salários de até R$ 4 mil

Os servidores do Governo do RN que recebem entre R$ 2.001,00 R$ 4 mil recebem seus vencimentos referentes ao mês de outubro hoje (6), conforme anunciado pelo governo.
Para os ativos, o crédito já está disponível nas contas dos servidores. O pagamento dos inativos (aposentados e pensionistas) será depositado a partir das 14h, em virtude de trâmites operacionais.
Importante
É preciso esclarecer que circulam, principalmente em redes sociais, informações falsas a respeito do décimo terceiro e da folha de novembro. O governo ainda não divulgou as datas para estes pagamentos.

Governo Temer tem de 290 a 310 votos para a Previdência, diz relator

Após café da manhã no Palácio do Alvorada com o presidente Michel Temer, o relator da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, Arthur Maia (PPS-BA), afirmou que o governo tem atualmente entre 290 e 310 votos favoráveis à medida. Ele também não descartou novas mudanças a texto no plenário, por meio de emendas aglutinativas.
“Acho que temos hoje entre 290 e 310 votos. Caminhamos para ter uma aprovação o mais rápido possível”, afirmou o relator, ao deixar o Alvorada. “Os governadores de Estado e prefeitos que influenciam os parlamentares devem dar sua contribuição”, completou.
Temer precisa atingir 308 votos para aprovar a reforma e defende que o tema seja pautado apenas se os partidos indicarem ter garantido o mínimo de votos para aprovação. “A decisão de marcar a data da discussão e início da votação é do presidente (da Câmara) Rodrigo Maia (DEM-RJ)”, ponderou Arthur Maia. As informações são da Agência Estado.