.

terça-feira, 12 de abril de 2016

TIRO NO PÉ: "Temer deu, sem querer, um golpe no golpe"

Se estava difícil aprovar o impeachment no plenário da Câmara dos Deputados agora ficou mais complicado depois do pronunciamento precoce do vice-presidente da República Michel Temer.
Os brasileiros ficaram assombrados ao saberem que o resultado do impedimento da Dilma é entregar o Brasil aos pedbistas Temer, Renan e Cunha.
Existem deputados do PMDB garantindo que não existiu vazamento, o texto foi cuidadosamente redigido para mostrar aos empresários da avenida Paulista e tornar público os termos do compromisso que Temer assumiu com o PIB paulistano.
Mas o efeito foi contrário e devastador.
Temer deu um tiro no pé, ou um golpe no golpe.

Dilma se surpreende com áudio e Planalto chama Temer de “golpista”

Assim que o áudio com discurso de Temer falando como se o impeachment já tivesse sido aprovado pela Câmara vazou, a presidente Dilma Rousseff ordenou uma resposta enfática do governo, colando ao vice-presidente a imagem de “golpista”, segundo a Folha de S. Paulo.
O ministro Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) disse ao jornal que a fala de Temer “revela a trama golpista que o vice e sua turma vêm demonstrando há semanas”. “Estou estupefato. Ele está confundindo a apuração de eventual crime de responsabilidade da presidente Dilma com eleição indireta. Está disputando votos e transformou o processo numa eleição indireta para conseguir votos em favor do impeachment. Esse áudio demonstra as características golpistas do vice”, declarou Berzoini.
Para o Planalto, ao se antecipar à votação no plenário da Câmara, marcada para domingo (17), Temer cometeu o mesmo erro que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso nas eleições municipais de 1985, em São Paulo, quando ele “se sentou na cadeira de prefeito antes da hora”. Na época, o tucano fez uma foto para uma revista sentado na cadeira de prefeito dias antes da votação, fator que poderia ter influenciado em sua derrota.