.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

PT afirma que não deve solidariedade a Delcídio

O presidente do PT, Rui Falcão, afirmou nesta quarta-feira, 25, que está “perplexo” com a prisão do líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), mas que o PT não tem obrigação de prestar “qualquer gesto de solidariedade” em relação ao senador. Em nota publicada no site do partido, o dirigente destaca que as “tratativas atribuídas” ao senador não dizem respeito a assuntos que envolvam o PT.
“Nenhuma das tratativas atribuídas ao senador tem qualquer relação com sua atividade partidária, seja como parlamentar ou como simples filiado. Por isso mesmo, o PT não se julga obrigado a qualquer gesto de solidariedade”, diz o texto. Rui Falcão afirmou ainda que vai convocar “em curto espaço de tempo” uma reunião da Executiva Nacional para decidir que medidas o partido vai adotar em relação ao que aconteceu com o correligionário.

Rafael Motta poderá ser expulso do PROS por criticar uso do fundo partidário

Em processo de encolhimento no cenário nacional, o Partido Republicano da Ordem Social (PROS) abriu uma “caça às bruxas” contra os deputados federais da sigla que criticaram a compra de um helicóptero pela Executiva Nacional com dinheiro do fundo partidário, que, em tese, deveria ser usado para fortalecer as atividades partidárias. O algoz dos parlamentares é o presidente da legenda, Eurípedes Júnior.
Até o momento, o PROS já expulsou dois deputados federais: Domingos Neto, do Ceará, e Waltemir Pereira, do Mato Grosso do Sul. Ambos críticos da atitude da agremiação de usar o fundo partidário para adquirir patrimônio. Domingos era o líder do partido na Câmara Federal. O próximo nome da lista poderá ser o deputado federal Rafael Motta, presidente do partido no RN, que também repudiou o ato do diretório nacional.