.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

FESTA DE SÃO SEBASTIÃO: "Escolha de Mister e miss acontece hoje ao som da Banda 2"


A Missologia Parelhense, em parceria com a Prefeitura Municipal, vai realizar hoje, 15 de janeiro a escolha da Miss e do Mister parelhense.

Serão 20 candidatos, sendo 10 homens e 10 mulheres, buscando o primeiro lugar da beleza de Parelhas.

O evento acontecerá na Praça Arnaldo Bezerra e a animação ficará por conta da Banda 2.



RN: "Ezequiel poderá ser candidato a governador"

Mesmo já tendo afirmado que seu projeto político é disputar à reeleição, o presidente da Assembleia, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), teve o nome incluído nas pautas dos alpendres de Jacumã como um possível candidato a governador.
E a possível candidatura de Ezequiel seria – se – o prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT), decidir por não disputar o Governo do Estado. E os adversários no cenário seriam o atual governador Robinson Faria (PSD) e a senadora Fátima Bezerra (PT)
Nesse rascunho, Ezequiel seria candidato ao Governo tendo Garibaldi e Luís Roberto Barcellos como candidatos ao Senado.
O play das conversas de bastidor político no verão do Litoral Norte está dado.
Falta apenas o Litoral Sul, onde veraneiam dois pré-candidatos: Carlos Eduardo e Robinson Faria.
Já em Tibau, praia dos mossoroenses, as conversas políticas também estão a todo vapor.

Heitor Gregório


CORRUPÇÃO: "Bolsonaro usa dinheiro público para fazer campanha"

Em campanha aberta para a Presidência da República, o deputado federal Jair Bolsonaro aumentou seus gastos com passagens aéreas pagas com dinheiro público da Câmara dos Deputados.
Levantamento feito pelo jornal O Estado de São Paulo mostra que, nesta legislatura (entre 2015 e 2017), o deputado fluminense gastou 39% mais com passagens custeadas pela Câmara do que no período anterior (de 2011 a 2014): passou de R$ 261 mil para R$ 362 mil.
Robson Pires

MUDANÇA: "Carlos Augusto Maia de malas prontas para o PC do B"

Rompido com o governo Robinson, o Deputado Carlos Augusto Maia, que já foi do PT do B e PSD, poderá assina ficha no PC do B.

Nesse caso o Deputado deverá apoiar a Senadora Fátima Bezerra, na corrida pelo governo do estado, uma vez que o PC do B, já declarou apoiou ao projeto da petista.

ELEIÇÕES 2018: "Julgamento de Lula e denúncias contra Bolsonaro mexem com o tabuleiro político"

2018 entra na terceira semana com peças relevantes do tabuleiro da eleição presidencial movimentando-se circunstancialmente, cada qual no seu contexto. O ex-presidente Lula vai para a reta final de preparação do julgamento que deve nortear o destino político do petista e o do cenário eleitoral.
O que será de Lula e do PT na disputa em outubro dependerá decerto do placar a ser proferido pelos desembargadores do TRF-4 no dia 24.
No outro extremo, Jair Bolsonaro cambaleia após a recente série de reportagens da Folha que revelou seu patrimônio, o uso de auxílio-moradia mesmo com imóvel próprio em Brasília, e o emprego, com verba da Câmara, de uma servidora fantasma que vende açaí em Angra dos Reis.
Ao ser inquirido pelos repórteres Camila Mattoso e Italo Nogueira, Bolsonaro reforçou, sem explicar o que parece ser inexplicável, a imagem de um político descontrolado, sem noção e grosseiro quando confrontado.
A campanha nem começou de fato e o deputado sabe que carregará no percurso até as urnas o carimbo de quem multiplicou o patrimônio às custas da política e adotou práticas reprováveis com o dinheiro público.
Se Lula e Bolsonaro dão a largada de 2018 preocupados em limpar a própria barra nos campos da honestidade e da moral, possíveis nomes de "centro-direita", que poderiam aproveitar o desgaste da dupla acima para arrebanhar votos, optam pela estratégia do "cada um por si".
Henrique Meirelles começa a se dar conta de que somente ele acredita na hipótese de sua candidatura. O seu partido, o PSD, finge acreditar.
O DEM força um ambiente favorável a Rodrigo Maia, que tem peso político, porém carece de potencial de voto, algo básico para estar no páreo.
Alckmin tem a preferência velada de Michel Temer para ser o candidato de centro e do governo. Seu problema - e maior desafio no curto prazo - é decolar e convencer caciques do próprio PSDB - entre eles FHC - de que pode se viabilizar para tanto. 

GARIBALDE: "Aliança com Agripino tem grande chance de ser mantida"

Presidente estadual do PMDB, o senador Garibaldi Filho, que será candidato à reeleição, defendeu a candidatura do Prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT), ao Governo do Estado. 
Foi em entrevista ao Jornal DeFato, durante visita à casa de verão da presidente da Câmara Municipal de Mossoró, Izabel Montenegro, no último fim de semana.
Sobre Mossoró, disse que terá sempre participação em seu projeto político, lembrando que mantém uma aliança com a prefeita Rosalba Ciarlini (PP), que defendeu indicar a composição de uma chapa majoritária.
Garibaldi ainda afirmou que a parceria com o senador José Agripino (DEM), tem muita chance de ser mantida: “Pelo resultado do que alcançou, pela afinidade que se deu no Senado, no dia a dia do Senado”.

POLÍTICA: "Ex-prefeito de Caicó poderá apoiar Fátima Bezerra para o governo"

Informações que circulam nos meios políticos, dão conta que o ex-prefeito de Caicó, Roberto Germano, pode deixar nos próximos dias o MDB. Segundo aliados de RG, o ex-prefeito poderá apoiar o nome da senadora Fátima Bezerra para o governo do estado na eleição deste ano.

O ex-prefeito analisa  sua volta ao PCdoB, partido no qual disputou uma cadeira na Assembleia Legislativa e a prefeitura de Caicó(sem êxito).

BALCÃO DE NEGÓCIO: "Evangélicos querem eleger 150 deputados e 15 senadores este ano"

Líderes de igrejas evangélicas e partidos ligados a elas estão traçando uma estratégia para ampliarem suas bancadas na Câmara e no Senado a partir de 2019. O objetivo é aumentar de 93 para cerca de 150 o número de deputados federais e quintuplicar, de três para 15, o total de senadores.
A estratégia, no caso do Senado, é lançar apenas um candidato por Estado, evitando que dois candidatos evangélicos concorram entre si. Neste ano, 54 cadeiras estarão em jogo no Senado, duas por Estado. No caso da Câmara, também há a ideia de fazer uma espécie de “distritão evangélico”, com um ou poucos candidatos ligados às igrejas disputando votos em cada região – algo ainda visto como mais difícil de realizar do que na eleição ao Senado.
Uma vez fortalecidos, os evangélicos pretendem puxar ainda mais uma agenda conservadora: antiaborto, contra liberação das drogas e do jogo, e em prol do que chamam de “família natural” (homem e mulher). Dessa coordenação, também pode surgir apoio a um candidato a presidente- algo mais provável em um eventual segundo turno. Na economia, a preferência dos líderes é pelo modelo que definem como liberal adotado no governo Michel Temer. Um desafio é conquistar o eleitor evangélico das regiões Norte e Nordeste, ainda muito fiel ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). As informações são do Valor Econômico.