.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

DILMA REPUDIA VALE TUDO NA POLÍTICA

A presidente Dilma Rousseff fez nesta segunda-feira (10) um apelo contra o que ela chamou de “vale-tudo” para atingir “qualquer governo, seja federal, estadual ou municipal”. Ela deu as declarações durante um discurso em evento de entrega de casas do Minha Casa Minha Vida em São Luís, no Maranhão.
No discurso, Dilma falava da crise pela qual o país passa. Disse que se trata de uma “travessia”, uma situação “temporária”, e que trabalha para que dure o mais breve possível. Em seguida, se dirigiu à plateia e afirmou que faria um apelo.
“Vou fazer um apelo. Vamos repudiar sistematicamente o vale-tudo para atingir qualquer governo, seja o governo federal, seja o governo dos estados, dos municípios”, disse a presidente. “No vale-tudo, quem acaba sendo atingido pela torcida que eu já disse do ‘quanto pior, melhor’, é a população do país, dos estados e dos municípios’, afirmou Dilma.

LAVA-JATO: "Fala Baiano"...

O advogado Sérgio Guimarães Riera, que deverá conduzir a delação premiada de Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB, já conversou com Baiano para entender detalhes do que ele pode vir a contar.
Baiano tem se mantido calado até agora.
Há suspeita de que ele teria medo de falar.
Medo de quem?
Baiano é peça-chave para mostrar o envolvimento do PMDB na Lava Jato. 
As investigações dizem que Baiano intermediou propina de US$ 40 milhões na compra de duas sondas da Samsung, em 2006 e 2007.

As sondas teriam custado US$ 1,2 bilhão. 
O negócio também teve como intermediário o consultor Júlio Camargo, que se tornou delator da Lava-Jato.

RN:"Governo pode abastecer cidades com água do mar"

“O sertão vai virar mar”. A profecia atribuída a Antônio Conselheiro talvez nunca chegue a se cumprir, mas a água do litoral potiguar poderá, de fato, e em pouco tempo, invadir as torneiras do estado. O governo do Rio Grande do Norte discute internamente, entre secretarias, Companhia de Águas e Esgotos (Caern) e iniciativa privada, a instalação de usinas de dessalinização de água do mar. O projeto para permitir que isso seja feito foi encaminhado à Assembleia Legislativa semana passada e publicado no Boletim Oficial da Casa dia 4 recente.
 
A ideia é que os primeiros equipamentos, que funcionarão como piloto de um projeto mais amplo, já entrem em funcionamento em 2016. Serão três usinas, estimadas em aproximadamente R$ 19 milhões, o que poderá representar um investimento de R$ 60 milhões (o número exato ainda não foi calculado). Os equipamentos serão instaladas próximas ao estuário do Rio Piranhas-açu, em Macau, região salineira do estado. A capacidade instalada será de 9 mil metros cúbicos de água potável por dia – o suficiente para abastecer quatro municípios daquela região.
 
As informações foram reveladas pelo secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Mairton França. “Essa água vai abastecer Macau, Carnaubais, Pendências e Alto do Rodrigues. A Caern e os técnicos da secretaria estão analisando cada ponto, como, por exemplo, como essa água vai chegar até os municípios”, afirmou ele em entrevista ao Novo Jornal. Juntas, a população das quatro cidades ultrapassa os 64 mil habitantes, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
Uma empresa, cujo nome ainda não foi revelado, apresentou a proposta ao governo e deve executá-la por meio de uma PPP – parceria público-privada. Ela vai assumir os custos da operação com a garantia da compra da água pela Caern. Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa da companhia, que é vinculada ao estado, não se pronunciou sobre o assunto, afirmando apenas que o projeto é de responsabilidade da Semarh. Mairton França afirma que a empresa usará a mesma tecnologia utilizada na Espanha, cuja costa é totalmente abastecida por água do mar dessalinizada.

SENADORA DEDICA FINAL DE SEMANA Á LITERATURA

A senadora Fátima Bezerra dedicou à literatura e suas muitas vertentes o fim de semana no Rio Grande do Norte. Ela participou de quinta (6) à sábado (8) do Festival Literário da Pipa (Flipipa), evento que há seis anos capitaneia em solo potiguar os novos debates sobre o mundo da leitura, suas nuances e  provocações.
“A Flip se referencia a cada ano como um espaço para a troca de idéias, leitura de livros e o encontro de pessoas para discutir sobre um mundo rico e cheio de sabores, como é o da literatura”, comentou.

VERGONHA: "Câmara pede que seja anulada ação que teve Cunha como alvo na Lava Jato"

A Câmara dos Deputados ingressou com um recurso no STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo que seja anulada ação que teve como alvo o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O parlamentar está entre os 50 políticos investigados na Operação Lava Jato perante o Supremo. A expectativa é de que Cunha figure ainda entre os primeiros políticos denunciados pela PGR (Procuradoria-Geral da República). A previsão é de que isso aconteça nas próximas semanas.

No pedido, a Câmara argumenta que a ação, autorizada pela Suprema Corte, “desrespeitou prerrogativas fundamentais da Constituição e a harmonia dos Poderes, necessárias para um exercício altivo e independente do Poder Legislativo para a sobrevivência de uma democracia civilizada”, diz o documento, assinado pelo advogado-geral da União substituto, Fernando Luiz Albuquerque Faria, em nome da Casa Legislativa.

A ação pede que os documentos obtidos em maio no Departamento de Informática da Câmara não tenham valor legal. O documento obtido pelos procuradores pode ser uma das provas de que Cunha foi beneficiário do esquema de desvios da Petrobras. Apesar de o pedido ter chegado à Corte apenas três meses depois da ação, o advogado-geral substituto argumenta que não há vencimento de prazo porque até o momento a Câmara não foi comunicada sobre o pedido da PGR.

A ação foi solicitada pela Procuradoria-geral da República e autorizada pelo ministro Teori Zavascki, relator da Jato no STF. Como publicou o Estado, no dia 4 de maio, Zavascki autorizou que um oficial de Justiça fosse ao Departamento de Informática da Câmara para retirar cópias que pudessem comprovar a autoria de Cunha de um requerimento que poderia ajudar nas investigações referentes ao suposto envolvimento do presidente da Câmara.

Com a ação na Câmara, a Procuradoria buscava elementos que pudessem comprovar a fala do doleiro Alberto Youssef, um dos delatores da Lava Jato. De acordo com o doleiro, Cunha seria o verdadeiro autor de requerimentos que pediam ao TCU (Tribunal de Contas da União) a auditoria dos contratos entre Mitsui, Samsung Heavy Industry e Petrobras. De acordo com Youssef, os requerimentos foram criados pela ex-deputada federal Solange de Almeida (PMDB-RJ), hoje prefeita da cidade de Rio Bonito (RJ), em 2011, a pedido de Cunha e serviriam como uma “ameaça”, após a suspensão de um pagamento de propina oriundo desses contratos que teria Cunha como beneficiário.

Investigadores suspeitam que as representações tenham sido arquitetadas por Cunha, com base no depoimento de Youssef. De acordo com o delator, o presidente da Câmara seria um dos beneficiários das propinas vindas do esquema envolvendo um contrato de aluguel de um navio-plataforma das empresas Samsung Heavy Industry e Mitsui. Ele teria encomendado os pedidos.

A ação na Câmara ocorreu em decorrência de um depoimento pelo ex-diretor da área de informática da Câmara dos Deputados Luiz Antonio Souza da Eira. O funcionário foi destituído do cargo por Cunha logo depois de um vazamento sobre a autoria dos requerimentos.

Em parecer enviado ao Supremo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, escreveu que as informações prestadas pelo ex-diretor “reforçam as suspeitas” de envolvimento de Cunha em requerimentos alvo das investigações da Operação Lava Jato.

Em depoimento a procuradores e à Polícia Federal, um dia após ser demitido por Cunha, Eira afirmou que a versão inicial do requerimento da auditoria do sistema de informática da Câmara foi gerada com a senha, “pessoal e intransferível”, de Cunha. A informação foi utilizada para sustentar o pedido de Janot ao Supremo para coletar documentos no setor de informática da Câmara.

À época da ação, Cunha tratou o pedido do PGR como “retaliação”. Desde que foi aberto inquérito contra o presidente da Câmara no STF, ele tem negado com veemência qualquer envolvimento com o esquema de desvios da Petrobras.