.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

CONTRADIÇÃO: "Flávio Rocha, que elogia a Lava Jato, doou para alvos da operação"

O pré-candidato à Presidência da República Flávio Rocha (PRB) se diz um entusiasta da maior operação anticorrupção do país. Evangélico de discurso moralizador, ele classifica a Lava Jato como “uma bênção” para vida nacional. 

Já o empresário Flávio Rocha era até bem pouco tempo atrás um homem que tinha fé nos políticos. Nas últimas quatro eleições dinheiro seu e de suas empresas patrocinaram candidatos. Muitos deles foram parar na mira da Lava Jato. No total, Rocha e seu grupo empresarial gastaram R$ 585 mil com políticos e legendas envolvidos em acusações de corrupção ou caixa dois. Entre suas apostas eleitorais estiveram Henrique Eduardo Alves (MDB-RN), Rodrigo da Rocha Loures (MDB-PR), José Agripino Maia (DEM-RN) e Paulo Skaf (MDB-SP). 
Os repasses foram feitos por meio das empresas Guararapes Confecções e Lojas Riachuelo S/A, presididas por Rocha, e em doações pessoais do próprio empresário. Todas as contribuições foram registradas na Justiça Eleitoral. 

A Riachuelo transferiu também para contas de partidos. Em 03 outubro de 2014, antevéspera do primeiro turno da eleição, a empresa repassou R$ 100 mil para o comitê financeiro do MDB do Rio de Janeiro. O partido era capitaneado pelo ex-governador Sérgio Cabral e pelo ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, hoje presos pela Lava Jato. 

Os candidatos do Rio Grande do Norte também ganharam atenção especial. No estado a Guararapes Confecções controla o maior polo de produção de roupas do país –é também onde enfrenta denúncias do Ministério Público do Trabalho. 
Henrique Eduardo Alves (MDB), deputado eleito pelo estado, recebeu apoio financeiro de Rocha nas disputas para a Câmara dos Deputados em 2010 e 2014. A Guararapes doou, respectivamente, R$ 10 mil e R$ 50 mil para as suas candidaturas. O deputado foi preso em 2017 na operação Sepsis, que apurou fraudes no FI-FGTS. Ele também é citado por delatores da Odebrecht. 

A Guararapes injetou dinheiro na campanha vitoriosa do governador Robinson Faria (PSD). Foram doados R$ 70 mil. Depois de eleito Faria acumulou denúncias. Foi alvo de operação que apurou desvio por meio de funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa. O governador também foi citado por delatores da Odebrecht e da JBS, tendo recebido R$ 100 mil da empreiteira e R$ 10 milhões do frigorífico. 

Agripino Maia (DEM) recebeu R$ 50 mil da Riachuelo em 2010 para se eleger ao Senado. Em 2016, a empresa doou o mesmo valor para eleger o filho do senador Felipe Catalão Maia (DEM). Pai e filho aparecem juntos numa planilha de propinas da Odebrecht. “Pino”, codinome que seria de Agripino Maia, teria recebido R$ 100 mil, e “Pininho”, referente à Felipe, outros R$ 50 mil da empresa. 

Procurado, Rocha não falou sobre as doações. 

Em nota, o coordenador jurídico de sua campanha diz que as contribuições dele e de suas empresas “sempre obedeceram a lei e os limites estabelecidos”. 
“Rocha e a empresa repudiam qualquer tipo de corrupção e uso de caixa dois em campanhas eleitorais”, diz o comunicado.

Fonte: Folha de São Paulo


Nenhum comentário: