.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

COLUNA DO BARBOSA: "Um dia meu filho vai estudar isso e vovô contará a história verdadeira do impeachment"

A frase acima foi proferida pela minha filha que está grávida e que ganhará seu primeiro filho agora em setembro. Ela disse isso após saber o resultado da votação do impeachment da presidenta Dilma Ruosseff para continuar no cargo.
E é verdade. O meu neto saberá daqui a alguns anos a verdadeira história do golpe que tirou de forma antidemocrática a petista da Presidência da República. Um golpe não feito de armas, como o golpe militar de 1964, mas de tramas, acordos espúrios e vingança, sobretudo do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, do PMDB de Michel Temer.
O ex-ministro José Eduardo Cardozo em seu pronunciamento de defesa foi taxativo: “ela [Dilma] foi acusada porque ousou ganhar uma eleição afrontando interesses daqueles que queriam mudar os rumos do país. Ela foi condenada porque ela ousou não impedir que investigações contra corrupção no Brasil não tivessem continuidade”.
Já falei sobre isso em uma outra oportunidade, mas repito que o atual processo de impeachment expôs fraquezas no sistema político do país, em que o presidente depende de acordos com inúmeros partidos sem ideologia clara, em arranjos que incentivam a corrupção.
Certa vez o amigo Jean Paul-Prates disse em artigo, que à exceção de uns poucos a quem se concede um naco da ribalta para compor a cena democrática e popular, aqueles que realmente decidem são meros prepostos de grupos de interesse cada vez mais interligados.
Se colocam nesta situação Michel Temer, Eduardo Cunha, Renan Calheiros, todos do PMDB. Não quero nem me aprofundar, porque se o fosse certamente citaria também aqui os 61 senadores que fizeram parte do “Circo dos Horrores” nesta quarta-feira, 31 de agosto, no Senado Federal.
Mas a história falará mais alto. Lembro que quando criança aprendi nos bancos escolares que em 1964 o Brasil foi tomado por uma “Revolução”. Anos depois, já na adolescência soube da verdadeira versão. Ou seja, o que houve no Brasil foi um golpe militar.
Daqui a alguns anos, mesmo que os livros venham a “desmentir” o golpe, eu, como avô do meu futuro neto terei certamente a oportunidade de dizer a ele a verdade sobre a farsa que se montou num país chamado Brasil. Meu neto não ficará alheio aos acontecimentos políticos vivenciados por seu avô.
A conferir!

Nenhum comentário: