.

.
.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

UFRN vai pesquisar sobre a Microcefalia

O aumento do número de casos de dengue e o surto de microcefalia relacionada ao zika vírus tem motivado ações efetivas de combate ao mosquito Aedes aegypti em todo país. No campo da pesquisa, o papel da Universidade Federal do Rio Grande Norte, que já se destaca por desenvolver o método ovitrampa – uma espécie de armadilha que ajuda a entender onde há maior incidência do mosquito, a monitorar os focos e estabelecer estratégias de combate – deverá ser ampliado.
O Ministério da Saúde pediu que o Instituto do Cérebro (Ice) comece a pesquisar o comportamento do cérebro dos pacientes diagnosticados com microcefalia, com o objetivo de garantir ações que possibilitem uma melhor qualidade de vida para eles. “Estamos começando as pesquisas, que até então não existiam. O foco é dar o suporte necessário aos pacientes diagnosticados com microcefalia”, afirmou o diretor do Instituto do Cérebro (ICe) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o neurocientista Sidarta Ribeiro.

Nenhum comentário: